Nossas crenças

Acreditar numa possibilidade e transformá-la em “fato”, numa “verdade”, torna-nos reféns da mesma e pauta nossas atitudes. Tudo precisa ser feito de forma a vir confirmá-la. Darei dois exemplos. O primeiro é uma ficção. Imagine um lugarejo na fronteira de um império sem nome. Nele, um magistrado cumpre seus deveres cotidianos, esperando a aposentadoria próxima,Continuar lendo “Nossas crenças”

O assustador ser humano

“A maioria das pessoas não é realmente livre. Estão confinadas a um nicho no mundo que esculpiram para si mesmas. Elas limitam-se a poucas possibilidades devido à estreiteza da sua visão.” (V. S. Naipaul) Falar de política no Brasil está ficando algo surreal, distópico. Mudemos de assunto; falemos do humano. Há dois tipos de agressão:Continuar lendo “O assustador ser humano”

O social e o fiscal

Houve um tempo em que economistas eram humanos. Brincadeira. Mas, quem leu John Stuart Mill e Adam Smith, além dos seus textos meramente “econômicos”, percebem que eles tinham uma preocupação com o social. Smith: “A maioria dos governos é de ricos para ricos.“/ “Nossos mercadores e senhores reclamam muito dos maus efeitos dos altos saláriosContinuar lendo “O social e o fiscal”

A realeza, as elites e a escravidão

A família imperial não tinha escravos. Nos seus imóveis, todos os negros eram alforriados e assalariados. A Princesa Isabel recebia ameaças contra sua vida e de seus filhos, frequentemente. De onde vinham? Dos grandes cafeicultores escravocratas. Isso desde antes da promulgação da Lei do Ventre Livre e acentuou-se após a abolição. Foi necessário se organizarContinuar lendo “A realeza, as elites e a escravidão”

Transfigurações

O ser humano evita o toque, o contato, com estranhos. Isso é natural. Essa é a razão principal para as distâncias que se estabeleceram entre nós. Essa aversão reflete nosso medo ao desconhecido, ao diferente. Nós, brasileiros (e outros latinos), temos uma característica: ao tomarmos a iniciativa de abordar alguém achamos que o outro jáContinuar lendo “Transfigurações”

O país indesejado pelas elites

“As elites veem as eleições como oportunidades de manipular as pessoas e não como meios de ouvi-las. Os Big Data tornaram os votos marginais como fontes de feedback, e os manifestantes preferem usar as eleições como ocasiões para demonstrações do que como instrumentos de mudança política.” (Zygmunt Bauman e Leônidas Donskins) A democracia, em qualquerContinuar lendo “O país indesejado pelas elites”

A coisa

Num filme de 1985, “A Coisa” (The Stuff), dirigido por Larry Cohen, uma equipe de mineradores encontra uma substância branca e gosmenta, parecida com um iogurte, com sabor agradável e atrativo. A substância, apelidada de “Coisa”, faz com que todas pessoas que a comam sejam devoradas ou transformadas em zumbis. Típico terror B. Antes, emContinuar lendo “A coisa”

Violência contra as mulheres

Artigo publicado neste mês na revista Pesquisa Fapesp, assinado por Ricardo Zorzetto, trata dos sofrimentos psíquicos – e até desequilíbrios na imunidade – provocados pelo estresse decorrente de agressões sexuais. Cita um levantamento realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública: no ano passado foram registrados mais de 56 mil casos de estupro no país! UmContinuar lendo “Violência contra as mulheres”

Cinismo e política

O cinismo domina a política e alguns setores sociais e econômicos. Não me refiro à corrente filosófica do Cinismo, que influenciou os estoicos e pregava o total desprezo pelos bens materiais. Sua origem deu-se com Antístenes (445-365 a.C.), discípulo de Sócrates. O cínico mais conhecido é Diógenes de Sinope (404-323 a.C.). A conotação para oContinuar lendo “Cinismo e política”

Risco de morte é 72% maior entre crianças pretas que entre brancas

Recentemente a Fiocruz Bahia divulgou um estudo que mostra o efeito da desigualdade social na incidência de mortes entre crianças. Os dados impressionam! As crianças indígenas, por exemplo, têm 14 vezes mais chances de morrer de diarreia. O risco é 72% maior entre crianças pretas quando comparado com as chances das nascidas de mães brancas.Continuar lendo “Risco de morte é 72% maior entre crianças pretas que entre brancas”