Desacelere!

O burnout se tornou a condição que define a geração Millennial, os nascidos entre 1981 e 1996. Renata Corrêa, prefaciando o livro “Não aguento mais não aguentar mais”, de Anne Helen Petersen, conta de sua experiência pessoal quando, recém-separada e com uma filha pequena, dependia de um trabalho freelance e outros eventuais. Uma viração, ouContinuar lendo “Desacelere!”

Ansiedade e burnout

Não há “controle” sobre a vida. Nossa vida é permeável e sujeita a intervenções externas fora de qualquer controle. Isso não é desesperador, como alguns acham; sempre foi assim, embora ultimamente esteja se insinuando como parte da realidade. Cerca de 19 milhões de pessoas sofrem de ansiedade no Brasil, segundo dados da OMS, o queContinuar lendo “Ansiedade e burnout”

“Não permita tua alma maldizer do destino no presente nem temê-lo para o futuro”

Algumas reflexões de Marco Aurélio, imperador romano entre 161 e 180 d.C. Quase dois milênios depois, permanecem válidas. “Dizer para si mesmo, ao amanhecer: Sei que vou encontrar um indiscreto, um ingrato, um grosseiro, um velhaco, um invejoso, um intolerante. Mas esses homens são assim devido à sua ignorância do bem e do mal. PorémContinuar lendo ““Não permita tua alma maldizer do destino no presente nem temê-lo para o futuro””

Como as principais consultorias criaram sua própria demanda

Defendo há muito o chamado Método Toyota de gestão empresarial. Tentando resumi-lo: focar no planejamento de longo prazo; ressaltar problemas em vez de escondê-los; incentivar o trabalho em equipe com os colegas e fornecedores; instalar uma cultura autocrítica que acalenta um processo implacável e contínuo de melhoria dos processos, produtos e serviços; criar uma mentalidadeContinuar lendo “Como as principais consultorias criaram sua própria demanda”

Chernobyl

Poucos eventos na história moderna são tão importantes quanto a explosão na Unidade 4 da usina nuclear de Chernobyl em 26 de abril de 1986, na época a terceira mais poderosa da Terra. Os soviéticos não perceberam imediatamente que estavam lidando com o pior desastre nuclear da história da humanidade. Por que se demorou tantoContinuar lendo “Chernobyl”

O capitalismo pode ser consciente?

“Sopram ventos malignos no planeta azul” (Manuel Castells) Quando um hálito de pessimismo permeia o ambiente, procuro ler textos que me façam pensar e me reconectar com minhas apostas de futuro. Os livros de Humberto Mariotti e Cristina Zauhy são parte desse refúgio de sanidade. Seu mais recente, “Sociedades Tóxicas – e a Complexidade doContinuar lendo “O capitalismo pode ser consciente?”

O caos e as organizações

Uma das primeiras imagens feitas pelo Hubble mostra a colisão entre duas galáxias. Esse encontro lançou uma violenta onda de energia no espaço. Uma destruição fantástica estava em curso. Porém, dentro do anel externo de gases quentes nasciam bilhões de novas estrelas. Este é um exemplo de que o caos é tanto morte como nascimento,Continuar lendo “O caos e as organizações”

Libertário?

Muitos já leram “De Zero a Um”, de Peter Thiel e Blake Masters, de 2014. Mais um livro-testemunho de uma pessoa bem sucedida (Thiel) que, certamente, tem algo a nos dizer nessa prática! O futuro trará, inquestionavelmente, progresso, desde que encontremos “valor” em lugares inesperados; este é o mote. O segredo está em não repetirContinuar lendo “Libertário?”

Dimensionamento do portfólio de produtos

Ontem, um amigo falou-me de suas preocupações com a manutenção do extenso portfólio de produtos da empresa onde trabalha como CFO. Se dependesse dele, eliminaria vários produtos; aqueles com Margem de Contribuição (MC) baixas, ou seja, quando o quociente MC/Preço Líquido é reduzido ou decrescente. O proprietário da empresa, ao contrário, quer ampliar a quantidadeContinuar lendo “Dimensionamento do portfólio de produtos”

Capitalismo do desperdício

Há uma potencial crise à vista, além do marasmo atual. O capitalismo, muito brioso, tem sobrevivido a crises cíclicas e a algumas extemporâneas. Quase todas previsíveis e motivadas pela ganância e indiferença com os que não estão no jogo. Esse rio caudaloso tem deixado muitos à margem; essas margens são cada vez mais erodidas eContinuar lendo “Capitalismo do desperdício”