Não há mistério maior que a miséria (Oscar Wilde)

Há uma ânsia por “felicidade”, esse maná moderno. E, achamos que esta felicidade está nos outros, na sua atenção, no reconhecimento, nos afetos e cuidados demonstrados, naquilo que fortaleça nosso ego. A felicidade – curtos momentos de paz interior – está em nós mesmos. Daí, quebramos a cara, pois procuramos onde não se está. EsquecemosContinuar lendo “Não há mistério maior que a miséria (Oscar Wilde)”

Como fazer o bem?

O regime de servidão foi regra na Rússia czarista de 1649 até 1861. Servidão é um eufemismo para escravidão dos próprios conterrâneos: os camponeses (“mujiques“) eram obrigados a permanecer nas terras onde nasciam, sem direito à sua propriedade, que era dos nobres. Esses camponeses eram, também, propriedades dos aristocratas, que poderiam dispor deles da formaContinuar lendo “Como fazer o bem?”

Não é simples!

Novo livro de Cristina Zauhy e Humberto Mariotti: “A Complexidade da Vida – E suas ameaças pelo fascismo e outros autoritarismos”. Atualíssimo! É importante para os que não têm a mente embotada e compreendem que viver é um exercício de amadurecimento. O poder não é uma corda, bidirecional, que se pode puxar numa das pontasContinuar lendo “Não é simples!”

A realeza, as elites e a escravidão

A família imperial não tinha escravos. Nos seus imóveis, todos os negros eram alforriados e assalariados. A Princesa Isabel recebia ameaças contra sua vida e de seus filhos, frequentemente. De onde vinham? Dos grandes cafeicultores escravocratas. Isso desde antes da promulgação da Lei do Ventre Livre e acentuou-se após a abolição. Foi necessário se organizarContinuar lendo “A realeza, as elites e a escravidão”

Somos autodestrutivos

Possivelmente, nunca deve ter existido uma organização social matriarcal, seja ela animal, humana ou proto-humana. Essa era a opinião de Rose Marie Muraro. Pelo menos no estilo patriarcal, de maneira autoritária, de cima para baixo, os chefes determinando o comportamento e o modo de pensar dos outros elementos do grupo. Nas sociedades matricêntricas estudadas, aContinuar lendo “Somos autodestrutivos”

O país indesejado pelas elites

“As elites veem as eleições como oportunidades de manipular as pessoas e não como meios de ouvi-las. Os Big Data tornaram os votos marginais como fontes de feedback, e os manifestantes preferem usar as eleições como ocasiões para demonstrações do que como instrumentos de mudança política.” (Zygmunt Bauman e Leônidas Donskins) A democracia, em qualquerContinuar lendo “O país indesejado pelas elites”

Sobre educação e fome. Sobre o quê?

Em 1954, Roger Cousinet (1881-1973) falava: “A educação não pode mais ser uma ação exercida por um professor sobre os alunos, ação que se revelou ilusória; ela é, na realidade, uma atividade por meio da qual a criança trabalha seu próprio desenvolvimento, colocada em condições favoráveis e com o auxílio de um educador que éContinuar lendo “Sobre educação e fome. Sobre o quê?”

Como era possível?

COMO FAZÍAMOS? (Adaptação de uma publicação de Laura Muschio) Às vezes me pergunto:o que nossa geração fez parasobreviver de comida contendo lactose? Como fomos capazes de crescersem comida para bebê, suplementos,hormônios e multivitaminas? Como vivíamossem Coca zero, Red Bull,aperitivos e bebidas longas,se esperávamos pelo domingopara beber água com gáscom pós dissolvidos? Como passamosos invernos rigorososcomContinuar lendo “Como era possível?”

A coisa

Num filme de 1985, “A Coisa” (The Stuff), dirigido por Larry Cohen, uma equipe de mineradores encontra uma substância branca e gosmenta, parecida com um iogurte, com sabor agradável e atrativo. A substância, apelidada de “Coisa”, faz com que todas pessoas que a comam sejam devoradas ou transformadas em zumbis. Típico terror B. Antes, emContinuar lendo “A coisa”

Medos e mentiras

Recuperei uma entrevista de Delfim Netto, de 2007, na qual fala sobre Lula: “Lula já rejeitava o marxismo em seu discurso de posse no Sindicato dos Metalúrgicos, em 1975. Ele disse literalmente que ‘parte da humanidade havia sido esmagada pelo Estado, escravizada pela ideologia marxista, tolhida nos seus mais comezinhos ideais de liberdade, limitada emContinuar lendo “Medos e mentiras”