O que é honra?

Provocado pelo amigo Fábio Adiron, divulgo aos estrangeiros a macabra capacidade de se criar histórias fantásticas no Recife. Nós, recifenses, nos divertimos com os superlativos que criamos para a cidade, dentre esses, o de “cidade mais assombrada do Brasil”. Hoje, sexta-feira 13, é um dia apropriado para falarmos sobre isso. “Quem sai à noite pelasContinuar lendo “O que é honra?”

A morte é parte do complexo da cura (Nilton Bonder)

“A morte é insuportável no Instagram”, diz Marcelo Tas. Lá só se pode “exibir” os melhores momentos, da vida. Nilton Bonder escreveu vários pequenos livros sobre a Cabala; um deles é “Cabala e a arte do tratamento da cura”. Reflete, claro, sua visão do judaísmo – ele é rabino. “A vida não é mecanicista, fragmentada,Continuar lendo “A morte é parte do complexo da cura (Nilton Bonder)”

“Quero ser repórter e prova do crime” (Jabor)

Esperto, esse Arnaldo Jabor. Saiu de cena antes que o país que ele amava, embora o destratasse, se inviabilizasse definitivamente. Escrevia como Nelson Rodrigues, uma inspiração: “O que aprendi com ele (Nelson), mais que o estilo, é a postura diante da vida, da literatura, da tentativa de empobrecer o texto, como ele falava. A liberdadeContinuar lendo ““Quero ser repórter e prova do crime” (Jabor)”

Amigos

Amigos, tenho poucos. O bastante. Não confundo civilidade e humanidade com amizade. Conheço muitas pessoas – das quais logo esqueço os nomes -, mas amigos … sempre poucos e menos. Amizade requer uma carga de amor e desprendimento que, se excessiva, nos apaga. Os colegas no trabalho, os conhecidos por razões várias, os que eventualmenteContinuar lendo “Amigos”

“Sobre o nada eu tenho profundidades”

Manoel de Barros tinha “um olhar de fonte, um olhar de primeira água”, no dizer de Paulinho Assunção. Era o próprio sentimento, numa vertente sempre da infância, da curiosidade e da reverência. Um cultor da palavra e da simplicidade. Fazia um esforço para nada explicar; o que se consegue explicar, satisfatória e completamente? Ele amavaContinuar lendo ““Sobre o nada eu tenho profundidades””

O que é um lar?

Uma das minhas filhas mais novas, Anita Pequeno, registrou sua impressão sobre o que seria um lar. UM LAR, por Anita Pequeno “A casa virou um lar quando a parede, rente à minha mesa de estudos, ficou com as marcas dos meus pés sujos… quando o gato da rua passou a ter mais medo deContinuar lendo “O que é um lar?”

Náufragos, por Luis Fernando Veríssimo

“Contam que um homem sobreviveu a um naufrágio e acabou numa ilha deserta, e lá viveu durante 40 anos, até morrer. Os primeiros 20 anos foram os piores. Quando não estava ocupado procurando comida e tratando de se abrigar do sol, da chuva e do vento, quando não tinha mais o que fazer a nãoContinuar lendo “Náufragos, por Luis Fernando Veríssimo”

Homofobia

Atendi Brigitte ao balcão. Ele estava há um tempo na calçada esperando que os outros clientes saíssem, no frigorífico onde eu trabalhava. Ele era o retrato da tristeza. Cabisbaixo, não olhava ninguém nos olhos. Ao andar, arrastava uma das pernas, resultado de um espancamento que seu irmão mais velho lhe aplicara, anos antes, quando seContinuar lendo “Homofobia”

Amendoeira

Para fugir desse ambiente tóxico da política (argh!), dos descaminhos econômicos, da falta de gestão na infraestrutura, à exceção dos puxadinhos – louváveis – do Tarcísio Freitas, dos desmontes dos poucos pontos em que avançamo-nos (combate aos desmatamentos, proteção aos indígenas, direitos à diversidade, inclusão social …), nada como procurar nosso leitor do cotidiano, CarlosContinuar lendo “Amendoeira”

Ah, as mães!

Vem por aí mais um dia das mães. Dizem que a homenagem começou em 1908, a partir da iniciativa de Anna Jarvis, que queria estabelecer uma data comemorativa para lembrar sua mãe, Ann Jarvis, que morrera em 1905, num 9 de maio. Para tornar essa comemoração permanente, contou com o apoio de um comerciante. AíContinuar lendo “Ah, as mães!”