A Nêmesis chegará?

Aubrey de Gray é diretor científico de uma organização que se dedica a um modelo de reparação de danos projetado para combater as doenças da velhice, consertando ou desfazendo o que o corpo causa a si mesmo simplesmente por estar vivo. Ele sugere que a ciência médica está prestes a desenvolver tecnologias que, por meioContinuar lendo “A Nêmesis chegará?”

“Invejo a burrice, porque é eterna.” (Nelson Rodrigues)

Como destruir um planeta sem fazer muito esforço. Este é um capítulo de um livro de Noam Chomsky. Um historiador do futuro – se houver – perceberá que neste nosso mundo, existem os que estão tentando com afinco fazer algo em relação às ameaças que nos cercam e outros que estão agindo para intensificá-las. OContinuar lendo ““Invejo a burrice, porque é eterna.” (Nelson Rodrigues)”

O mundo não é justo; só apertado

Jesus foi traído. Judas é o que foi escolhido para judas. Muitos o traíram; ele é traído por nós, por dois milênios, principalmente por seus ricos supostos representantes terrenos. O poder tem seus interesses, dinâmicos e desenfreados; esses interesses moldam a “justiça”. Nós, ah! nada somos. ” (…) Já há tantos séculos que a humanidadeContinuar lendo “O mundo não é justo; só apertado”

Por que abrir mão da liberdade?

“Não espalharás notícias falsas, nem darás a mão ao ímpio para seres testemunhas de injustiça. Não tomarás o partido da maioria para fazeres o mal, nem deporás num processo, inclinando-se para a maioria, para torcer o direito, nem serás parcial com o desvalido no seu processo.” (Êxodo 23 1-5) A mentira é o argumento dosContinuar lendo “Por que abrir mão da liberdade?”

Que futuro?

“Poucas coisas simbolizam o futuro tão poderosamente quanto as crianças – e agora, a incerteza do futuro está cobrando seu preço.  Nesta última semana, tive várias conversas com amigos de todo o mundo que estão lutando com a complexidade de orientar seus filhos em transições críticas em nosso contexto atual.  Seja de criança para criança,Continuar lendo “Que futuro?”

Gente simpática e pacífica – de bem!

É possível chegarmos ao conhecimento sobre as coisas que nos rodeiam? Husserl, o fundador da Fenomenologia, perguntava-se sobre “as perplexidades em que se enreda a reflexão sobre a possibilidade de um conhecimento atinente às próprias coisas; como pode o conhecimento estar certo da sua consonância com as coisas que existem em si, de as ‘atingir’?”Continuar lendo “Gente simpática e pacífica – de bem!”

“O homem criou a morte” (Yeats)

O mundo gira e não nos damos conta. No entanto, às vezes, um pequeno desequilíbrio nos derruba. O equilíbrio (do mundo e no mundo) é algo dinâmico, como numa esteira rolante. Caso sua velocidade seja acelerada de forma súbita ou constantemente, provavelmente cairemos. Este é estágio em que a humanidade se encontra atualmente: tudo mudando,Continuar lendo ““O homem criou a morte” (Yeats)”

Urbanismo sem vínculo social

Vitrúvio, no seu clássico “Tratado de Arquitetura”, escrito em 27 a.C., dedicou vários tópicos aos aspectos de salubridade nas escolhas urbanísticas. Sugeria que as cidades e suas construções deveriam ser pensadas com fito nos seus habitantes! Ficaria surpreso com os atuais amontoados de “moradias” que desconsideram os mínimos cuidados sanitários e preocupações com locomoção, lazerContinuar lendo “Urbanismo sem vínculo social”

Poderemos escolher como será nosso fim?

Inebriados, o capitalismo selvagem nos leva à destruição. Antes do fim da nossa espécie, porém, teremos o prazer de devastar o ambiente, como a um inimigo; revirar todas as reservas até deixar as entranhas da Terra à mostra; cavucar o solo marinho à busca de minérios; deixar nossa marca geológica (lixo) em todos os espaços;Continuar lendo “Poderemos escolher como será nosso fim?”

O inconsciente e seus efeitos sobre nossas atitudes

“Você já teve um sonho, Neo, que parecia ser verdadeiro? E se você não conseguisse acordar desse sonho? Como você saberia a diferença entre o mundo dos sonhos e o mundo real?” (Diálogo entre Morpheus e Neo, na trilogia do filme Matrix). António Damásio, no livro O Erro de Descartes, procurou destacar que a emoçãoContinuar lendo “O inconsciente e seus efeitos sobre nossas atitudes”