“Os infelizes gostam de se unir uns aos outros” (Lessing)

“O tempo que vivemos é um tempo no qual as pessoas que tomaram o poder não se importam mais com os ancestrais, não se importam com os descendentes. Como podemos raciocinar com pessoas que têm arrogância de pensar que a morte delas significa o fim do mundo?” (Lewis Ricardo Gordon) As pessoas estão perdendo aContinuar lendo ““Os infelizes gostam de se unir uns aos outros” (Lessing)”

A tentativa de golpe

Em 64 a.C., Catilina estava próximo da falência. De família nobre, porém desregrado, já havia sido acusado de vários crimes (assassinato da primeira esposa, do próprio filho e até relações sexuais com uma sacerdotisa virgem). Para mudar sua situação resolveu candidatar-se ao Senado romano. O investimento era alto mas, eleito, poderia recuperá-lo rapidamente – legalmenteContinuar lendo “A tentativa de golpe”

Por que tanta maldade?

“O que eu quero é proteger-me, a mim, aos meus e à minha família. E os outros que se tramem (se lixem). (…) É preciso suplantar uma biologia muito forte”, diz António Damásio. A solução é educar maciçamente as pessoas para que aceitem os outros, complementa. O cardápio do mal é servido a partir dosContinuar lendo “Por que tanta maldade?”

Natureza e desenvolvimento sem antagonismo

A concentração de CO2 na atmosfera superou 420 ppm (partes por milhão) em maio do ano passado, segundo a NOAA (Administração Oceânica e Atmosférica dos EUA, em inglês). Este é o maior índice desde o começo das mensurações. Ao longo da história pré-industrial as concentrações se mantiveram consistentemente em torno das 280 ppm, por quaseContinuar lendo “Natureza e desenvolvimento sem antagonismo”

Como perceber o espaço

Uma das inovações trazidas pelo Renascimento foi a “perspectiva“. Ela causou um rebuliço no meio artístico. A perspectiva é uma técnica de representação do espaço tridimensional numa superfície plana, de modo que a imagem obtida se aproxime daquela que se apresenta à visão. Os avanços na ótica e na geometria permitiram a projeção de objetosContinuar lendo “Como perceber o espaço”

A escravidão, como vista por Espinosa

Espinosa entendia que todos os indivíduos são expressões singulares da potência absolutamente infinita da Natureza. Essa expressão precisa ser lida e relida; e entendida. Por isso, em cada indivíduo, seu direito é idêntico ao seu poder de exercê-lo, ou idêntico à sua potência de agir. Ele cunhou a frase “direito, ou seja, poder” (jus siveContinuar lendo “A escravidão, como vista por Espinosa”

“Proteja-me do que quero” (Jenny Holzer)

Com o iluminismo, a partir do século XVIII, acreditou-se que haveria uma harmonia entre o “progresso” e aumento da felicidade. O progresso anunciado se traduziria em avanço do saber científico, uma disparada na produtividade, o “domínio” definitivo da natureza pela tecnologia, a libertação das mentes do jugo religioso, superstição e servilismo, a transformação das instituiçõesContinuar lendo ““Proteja-me do que quero” (Jenny Holzer)”

“Você não fica perplexo com a decadência da sua raça?”

“Como representei o meu papel nesta comédia da vida?”, perguntou-se Augusto no seu leito de morte, segundo Suetônio. Caio Otávio Turino, depois, Caio Júlio César Otaviano e, posteriormente, Augusto, viveu por 77 anos (63 a.C.- 14 d.C.). A fala de Augusto pode nos mostrar o quão insignificante somos, pois a morte vem. Este grande romano,Continuar lendo ““Você não fica perplexo com a decadência da sua raça?””

Manifestações de fé

Fé não é o mesmo que fanatismo. O fanatismo é doentio; implica uma intolerância em relação a outras crenças, religiosas ou ideológicas. Um fanático religioso, por exemplo, quer que haja a primazia ou exclusividade da sua fé sobre as demais. A fé, embora se oponha ao raciocínio lógico, tem sido historicamente um grande esteio paraContinuar lendo “Manifestações de fé”

Sedição

A tentativa de golpe de estado, perpetrada ontem, 8 de janeiro de 2023, por uma pequena parte – enlouquecida – da população, mostra a fragilidade do sistema democrático. Pessoas abduzidas por uma ideologia fascista tentaram, a partir da ocupação e depredação das sedes dos poderes da República, uma sublevação nacional contra um governo legitimamente eleito.Continuar lendo “Sedição”