Sobre nossa pequenez

Os números não são precisos, mas de tão gigantescos tornam-se incompreensíveis. Somos aproximadamente 7.897.800.000 habitantes deste planeta. No ano (até hoje, 5 de outubro, segundo https://www.worldometers.info/pt/), nasceram novos 106.576.690 inquilinos e, 44.743.490 partiram. Individualmente, somos uma fração ínfima nesse conjunto: 0,0000000126%. Porém, quem nos convence de que não importamos? Olhando ao redor, sumimos: o chamadoContinuar lendo “Sobre nossa pequenez”

O tempo não existe, nem as coisas

A relatividade geral do sr. Einstein e a física quântica caminham juntas, numa possível teoria da gravidade quântica em loop (ainda em debate e em disputa com a teoria das cordas) para, entre outras coisas, exterminar o tempo. Bom, não teremos mais tempo? Para nada? Preciso terminar algumas coisas. Não é bem isso. O tempoContinuar lendo “O tempo não existe, nem as coisas”

Consciência, ainda desconhecida

Em livro a ser publicado no inicio de 2022, David Chalmers afirma que a realidade virtual é uma realidade genuína. Para ele, os mundos virtuais não são mundos de segunda classe e que podemos viver uma vida “significativa” na realidade virtual. Aliás, podemos até já estarmos num mundo virtual! Ele levanta muitas questões, nunca empoeiradas,Continuar lendo “Consciência, ainda desconhecida”

Até onde ele iria?

Frank Ramsey morreu aos 26 anos de idade. Apesar da pouca experiência terrena, deixou marcas na economia, filosofia e matemática. Entre seus contemporâneos, era reconhecido como um gênio. No segundo ano de graduação, aos 18 anos, traduziu o “Tractatus Logico-Philosophicus“, de Wittgenstein, apesar do ceticismo geral de que o Tractatus fosse intraduzível para o inglês.Continuar lendo “Até onde ele iria?”

Criaremos máquinas mais inteligentes do que nós?

Algumas versões atribuem a Prometeu e a seu irmão, Epimeteu, a inadvertida criação do Homem. Prometeu, cujo nome significa algo como antevisão (“pro“, antes; “manthano“, aprender) era arguto e autoconfiante, mas não premeditava todas as consequências de seus atos. Aprontou uma com os deuses e, em represália, Zeus tirou o fogo dos humanos. Insubordinado, PrometeuContinuar lendo “Criaremos máquinas mais inteligentes do que nós?”

Todo aprendizado provém do erro

Como aprender sem tentar e, correr o risco de errar? O sistema educacional em geral não aceita erros, só acertos. Provas, exames, notas … o tormento dos alunos e, traumas dos adultos. Mensagem errada. Reprodução de saberes requer apenas memorização e significa a perpetuação do já estabelecido; o louvor ao estático. O mundo nada temContinuar lendo “Todo aprendizado provém do erro”

Como nos alimentaremos?

“Flexitarianos, reducetarianos, climaterianos. Veganismo preto, feminismo vegano. Carne cultivada, fermentação de precisão, comida ética, clean-meat, plant-based. A alimentação pede um novo e mais diverso léxico, que se multiplica no ritmo dos estilos de vida, comportamentos, pautas identitárias e profusão de tribos fora e dentro nas redes sociais. Se durante décadas a indústria de alimentos pautou-seContinuar lendo “Como nos alimentaremos?”

Comida!

“Bebida é água/ Comida é pasto/ Você tem sede de quê?/ Você tem fome de quê?” (Comida, Titãs, 1987) “Coma comida”, é o refrão conhecido de Michael Pollan. Que tenhamos uma alimentação de verdade: um apelo ao consumo de alimentos frescos e integrais, ao invés dos industrializados – principalmente os ultraprocessados. Entre as várias recomendaçõesContinuar lendo “Comida!”

A realidade parece ser feita mais de relações que de objetos

Douglas Adams via o mundo com estranheza: “O fato de vivermos no fundo de um profundo poço de potencial gravitacional, na superfície de um planeta coberto de gás que gira em torno de uma bola de fogo nuclear a 150 milhões de quilômetros de distância, e ainda pensarmos que isso é ‘normal’, é uma claraContinuar lendo “A realidade parece ser feita mais de relações que de objetos”

Bichinhos curiosos …

Duas curiosidades sobre insetos (há muitas), começando pelos besouros rola-bosta, coprófagos (se alimentam de fezes de animais). Eles chegam até o monte de cocô e fazem uma esfera, empurrando-a para longe o mais rapidamente possível. Nele, enterram seus ovos. Quando surgem as larvas, estas se alimentam do rico bolo de fezes. Eles são ativos atoresContinuar lendo “Bichinhos curiosos …”