Observações sobre Solano López

Solano López era o dono do Paraguai. Ao assumir a presidência da República, disse à sua companheira, a irlandesa Elisa Alicia Lynch, que conhecera num baile dado no Palácio das Tulherias por Napoleão III: “Senhora, desde esta noite, o Paraguai sou eu!” Levava isso a sério: exercia despoticamente a coerção política, através de uma redeContinuar lendo “Observações sobre Solano López”

Um berço de inovações

Shenzhen, no sudeste da China, era uma vila de pescadores, quarenta anos atrás. Em 1980, Shenzhen foi estabelecida como a primeira ‘zona econômica especial’ da China. Lá, começaram a produzir cópias baratas de toca-fitas e calculadoras; atualmente, é conhecida como a ‘fábrica do mundo’ e ‘Vale do Silício’ chinês. Alguns se surpreendem. Desconhecem a capacidadeContinuar lendo “Um berço de inovações”

Resistir é digno

Ajuricaba era chefe dos índios ‘manau’ e liderou as tribos do rio Negro na guerra contra os colonialistas portugueses, na terceira década do século XVIII. Ele liderou mais de trinta nações indígenas contra os portugueses por muitos anos e perdeu, o que levou seu povo à extinção. Ele era um ‘tuxaua‘, da grande família ‘aruaque’,Continuar lendo “Resistir é digno”

Reinvenções da Sony

Nos anos 50, Akio Morita visitou o Ocidente e ficou humilhado com a percepção da origem “Made in Japan”. Significava produto ruim, mal-acabado, de segunda classe. Algo como ocorreu depois com os produtos coreanos e chineses – estes em rápida transformação. Os produtos brasileiros estão nessa fase, pouco confiáveis – sem tradição, sem marcas ‘fortes’,Continuar lendo “Reinvenções da Sony”

Diágoras, um ateu

Diágoras, foi um poeta e sofista grego do século V a.C. Era apelidado de “o ateu”. Acredita-se que ele tenha sido o primeiro a dizer que a religião foi criada pelos governantes para assustar as pessoas de modo a fazê-las seguir uma ordem moral.  Foi discípulo de Demócrito. Acabou expulso de Atenas, acusado de ImpiedadeContinuar lendo “Diágoras, um ateu”

80 anos!

Hoje ele faria 80 anos, mas só pôde viver a metade. O suficiente. Lennon foi um ‘profeta’, um antecipador, um rebelde, um apaziguador, um clarividente sobre o papel do amor no mundo – e suas correlações, a paz, e seus opostos, o ódio, a discriminação, a guerra ‘idiota’ … Acredito que não era um caraContinuar lendo “80 anos!”

“…quantas Terras a gente precisa consumir até entender que está no caminho errado?”

“Demoramos muito tempo para perceber nossa identidade planetária … A história avançou pelo lado ruim. (Karl Marx) A ancestral e difícil luta pela sobrevivência foi se transformando em um louco esforço para se dominar a natureza. Louco, porque a parte não pode dominar o todo. A solução, de colocar o humano à parte (acima) daContinuar lendo ““…quantas Terras a gente precisa consumir até entender que está no caminho errado?””

“Música com Z”, de Zuza

Há pessoas que julgamos imortais. Na verdade, queremos que elas permaneçam conosco durante toda nossa vida – esse é o sentimento de eternidade para os mortais. Uma dessas pessoas, referências, foi Lauro Machado Coelho, morto em 2018, que me aproximou da ópera. Outra, que morreu ontem (dormindo, como lhe convinha), foi Zuza (José Eduardo) HomemContinuar lendo ““Música com Z”, de Zuza”

A questão da terra

Em março de 1969, tempos escuros, D. Hélder Câmara proferiu um discurso na PUC de São Paulo, na Escola de Engenharia Industrial. Começa alertando para as ‘especializações’: “A especialização, em nosso século, chegou a extremos tais que um homem como o Pe. Lebret morreu sonhando ver, ao lado das Universidades de hoje, com suas escolasContinuar lendo “A questão da terra”

“Tudo nesta vida é sonho, alegria ou pena; Vêm-nos aos pares”

Yu Xuanji foi a primeira poetisa feminista chinesa. Viveu de 844 a 869, durante a dinastia Tang. Foi executada aos 26 anos, após uma acusação duvidosa. As mulheres, à época, eram impedidas de exercer funções de relevo; cabiam-lhes, praticamente, casar-se, tornar-se concubina ou monja. A linda e educada Yu Xuanji (Xuanji significa “misteriosa profundidade”) tornou-seContinuar lendo ““Tudo nesta vida é sonho, alegria ou pena; Vêm-nos aos pares””