Manifestações de fé

não é o mesmo que fanatismo. O fanatismo é doentio; implica uma intolerância em relação a outras crenças, religiosas ou ideológicas. Um fanático religioso, por exemplo, quer que haja a primazia ou exclusividade da sua fé sobre as demais.

A fé, embora se oponha ao raciocínio lógico, tem sido historicamente um grande esteio para o homem.

Os cristãos de todo o mundo fazem romarias aos santuários de Fátima e Lourdes, ao Vaticano, à Terra Santa (Basílica da Natividade, Santo Sepulcro e outros pontos), alguns se dispõem a percorrer o Caminho de Santiago de Compostela etc.

Os hindus vão a Varanasi, na Índia; os budistas, a Bodhgaya, também na Índia; os mulçumanos vão a Meca, na Arábia Saudita …

No Brasil, temos a festa do Círio de Nazaré, em Belém e as romarias a Padim Ciço (Cícero Romão Batista), entre outros.

Na Argentina, temos uma manifestação católica curiosa, não apoiada pela Igreja: a romaria à Defunta Correa.

Na década de 1840, María Antonia Deolinda Correa teria sido perseguida por um bebum valentão do vilarejo onde morava e precisou fugir com seu filho de poucos meses nos braços.

Pretendia chegar a La Rioja para encontrar seu marido que se engajara numa milícia durante a guerra civil, que se arrastava desde 1814 e só terminaria em 1880.

Havia, entretanto, uma zona desértica a atravessar, em torno da província de San Juan. Seus mantimentos e água que levava acabaram e acabou por morrer de sede e exaustão. 

Alguns pastores viram à distância a ronda de aves de rapina; imaginando que fosse alguma cabra ou cordeiro que tivesse ficado no deserto, foram até a área onde estavam os urubus.

Encontraram Deolinda Correa morta e seu bebê preso ao peito, mamando, ignorando a fatalidade.

A história correu e tornou-se lenda e desde então a Defunta Correa tornou-se uma “santa” popular. Mesmo sem o reconhecimento oficial, as pessoas fazem suas promessas em sua intenção e vão até lá “pagar” pelos milagres que lhe atribuem.

Se os milagres são ou não verdadeiros, não importa. Sem a fé a vida torna-se dura e insuportável para muitos.

(Foto acima: estátua da Defunta Correa, no santuário de  La Difunta Correa, na região de Vallecito)

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: