Corrupção

Tenho um amigo que fala sempre que estamos condenados à mediocridade, porque saímos de um governo odiento, que apresentava o futuro como a negação do avanço da civilidade e da ciência, e, escolhemos outro que teria se caracterizado pela corrupção.

Como se corrupção fosse característica de um governo.

Ele não mede palavras, acha que trocamos de quadrilha.

Eu penso diferentemente. Acho que o “populismo” que assume agora é necessário e pode ser essencial para que saíamos daquele futuro com sabor de passado.

“Desigualdade entre a criança que enfrenta a melhor escola particular e a criança que engraxa sapato na rodoviária, sem escola e sem futuro. Desigualdade entre a criança feliz com o brinquedo que acabou de ganhar de presente, e a criança que chora de fome na noite de Natal. (…)

Desigualdade entre quem joga comida fora e entre quem só se alimenta das sobras. É inadmissível que os 5% mais ricos deste país detenham a mesma fatia de renda que os demais 95% de pessoas. Que seis bilionários brasileiros tenham uma riqueza equivalente ao patrimônio dos 100 milhões mais pobres do país” (trechos do discurso de Lula em 1/1/23)

Esse país tem sido desperdiçado por políticos que acham que riquezas naturais são garantias de que somos ricos, como se ignorassem que riqueza é fluxo, não estoque.

E esse fluxo, quando acontece, precisa ter alguma equanimidade no seu proveito. O país continua como rico, potencialmente.

Mas, voltando a meu amigo. Ele diz que o novo governo tem origem nos sindicatos e que estes são corruptos.

Já lidei com sindicatos; nem todos são corruptos.

Uma vez, pressionado por um líder sindical, resolvi não fazer acordo e fiz o que ele não esperava: fui ao caminhão do sindicato, subi e falei diretamente aos empregados.

Os empregados me conheciam – e confiavam em mim, por uma prática diária de convivência e de ouvi-los – e expliquei o que poderíamos ou não fazer.

O sindicato era um estranho – eu não.

Eles – o sindicato – saíram de mãos vazias.

Alguns sindicalistas eram corruptos, queriam pequenas benesses – um bom almoço, por exemplo. A maioria que conheci, entretanto, era idônea.

Há corrupção onde há dinheiro.

Quando cheguei a São Paulo, transferido de Pernambuco, a pedido, para implementar medidas bem sucedidas, tive uma surpresa.

Indo para Ribeirão Preto, acelerei demais e fui parado pela polícia rodoviária estadual. Entreguei a Carta de motorista com dinheiro.

Quase fui preso. Estranhei. Essa era a prática na minha região.

Nem todos os policiais são corruptos; nem todos os sindicalistas são corruptos – aliás, tive muitos encontros com líderes sindicais corretos, idealistas .

Até políticos , alguns, acho, não são corruptos.

Entretanto, vi muitos compradores, vendedores e intermediários de empresas privadas, se venderem, corruptamente.

Resumo: a corrupção é uma vontade de enriquecimento rápido, onde quer que o corrupto (ou potencial) esteja.

Sabemos da corrupção particular, aquela que praticamos vez em quando, e ignoramos – achamos que são necessárias para nos livrar de pequenos incômodos. No entanto, queremos que os poderosos sejam escrupulosos. Somos?

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: