Maquiavelicamente II

A Justiça sofre uma crise de confiança no país. A impunidade parece ser a regra.

Lentidão, possíveis favorecimentos, filigranas legais acessíveis a poderosos, mordomias aviltantes, exibicionismos, corporativismo, indultos escandalosos e outros vícios conduzem o Judiciário ao descrédito popular.

Perder a confiança na Justiça gera um sentimento de anomia (ausência de lei ou de regra), mina a democracia (que repousa na lei) e é um passo para a desordem institucional.

É da essência dos homens se inclinarem mais à crítica do que ao elogio, observava Maquiavel na sua introdução de “Comentários sobre a Primeira Década de Tito Lívio“.

Ou seja, uma imagem danificada requer mais trabalho para sua restauração plena (quando possível) do que para sua construção.

A punição como aplicação da lei é educativa, pelo temor que impõe às transgressões sociais.

Maquiavel ilustra esse argumento com o caso (lendário?) da morte dos filhos de Lúcio Júnio Bruto, considerado o fundador da República, no século VI a.C.

Bruto teria articulado a queda do último rei Tarquínio, o Soberbo, após o estupro e martírio da sua parente, a jovem Lucrécia, pelo filho do rei.

Houve depois uma conspiração visando a restauração do trono dos Tarquínio. Entre os conspiradores estavam dois de seus filhos, Tito e Tibério.

Bruto poderia dar-lhes o perdão, pois presidia o tribunal; entretanto, em respeito à lei, condenou-os à morte como traidores e assistiu às decapitações.

Maquiavel recomendava que de uma a outra punição severa não deveriam passar mais de dez anos, “porque, passado esse tempo, os homens começam a mudar os costumes e desrespeitar as leis e, se não nasce alguma coisa, pela qual se traga a punição à memória deles e renove-se em suas almas o medo, então aparecem tantos delinquentes que não se pode mais punir sem perigo.”

(Ilustração acima: tela “Bruto Sentencia seus Filhos à Morte“, de Heinrich Füger)

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: