Ansiedade e burnout

Não há “controle” sobre a vida. Nossa vida é permeável e sujeita a intervenções externas fora de qualquer controle. Isso não é desesperador, como alguns acham; sempre foi assim, embora ultimamente esteja se insinuando como parte da realidade.

Cerca de 19 milhões de pessoas sofrem de ansiedade no Brasil, segundo dados da OMS, o que nos coloca como o país mais “ansioso” do mundo. Muitos mais serão afetados por ela ao longo da vida, incluindo crianças e adolescentes.

Não se trata da ansiedade “natural”, aquela focada numa determinada expectativa ou decisão – normalmente, às vésperas de um acontecimento -, mas de uma sensação difusa de medo infundado, que trava a pessoa e a impossibilita de gozar uma vida normal. Há uma tensão constante e a antecipação de cenários de riscos, muitas vezes irreais.

Estoicos, como Sêneca, já refletiam sobre essa ansiedade vaga:

“Existe o destino, a fatalidade e o azar; o imprevisível e, por outro lado, o que já está determinado. Então, como há azar e como há destino, filosofemos.”

Sêneca viveu a instabilidade de governos estranhos, principalmente os de Calígula e Nero. Não era fácil.

Hoje, temos as “inseguranças” e a sensação de vulnerabilidade fomentadas pelos seguintes principais fatores:

  • modelo econômico (que estimula a competição e o “mérito”, ao invés da cooperação e criação de oportunidades),
  • atordoante aceleração tecnológica (com potenciais riscos à empregabilidade como a conhecemos pela falta de uma concomitante e equivalente preparação técnica),
  • antiquada preparação escolar (ainda “formando” mão de obra que pode não ser absorvida, ao invés de preparar para as incertezas da vida),
  • florescimento de correntes políticas autoritárias etc.

    Humberto Mariotti, num de seus livros, cita Kierkegaard e sua identificação dos “homens imediatos”, aqueles mergulhados na “vida normal”, regrada, que detestam e tentam negar os riscos.

    “Os ‘homens imediatos’ não gostam de surpresas, e por isso alimentam a ilusão de que é possível viver apenas em meio a afazeres previsíveis e repetitivos.”

    Negar o imprevisível, as novidades, os sustos, os riscos, as forças emergentes, a complexidade da vida social, mostram um despreparo (e uma rejeição) para a vida como ela é.

    Vejam a onda crescente de “burnout” que atinge os millennials (ou geração Y, os nascidos entre 1981 e 1996).

    Entenda o burnout como uma sensação de exaustão e embotamento que, mesmo depois de dormir e tirar férias, não vai embora de verdade.

    Lembram da “neurastenia” (ou exaustão nervosa), diagnóstico criado em 1869 por G. M. Beard, que afligia pacientes destruídos pelo “ritmo e esforço da vida industrial moderna”? Modernizou-se.

    Esses millennials desconfiam das instituições (que teriam falhado), têm expectativas irrealistas do mundo corporativo moderno, são afetados duramente pelo aumento na ansiedade e da desesperança; tudo exacerbado pela pressão constante de “performar” na vida real e, também, na on-line. Essa é a leitura de Anne Helen Petersen.

    Parece haver um “cansaço melancólico do mundo”, ou uma perplexidade frente à mudança constante, diz Josh Cohen.

    “Você sente o burnout quando exauriu todos os seus recursos internos, mas não consegue se libertar da compulsão nervosa de seguir em frente apesar disso.” (Cohen)

    Embora use uma linguagem simbólica, a poesia de Cruz e Souza pode ajudar:

    Livre (Cruz e Souza)

    Livre! Ser livre da matéria escrava,
    arrancar os grilhões que nos flagelam
    e livre penetrar nos Dons que selam
    a alma e lhe emprestam toda a etérea lava.

    Livre da humana, da terrestre bava
    dos corações daninhos que regelam,
    quando os nossos sentidos se rebelam
    contra a Infâmia bifronte que deprava.

    Livre! bem livre para andar mais puro,
    mais junto à Natureza e mais seguro
    do seu Amor, de todas as justiças.

    Livre! para sentir a Natureza,
    para gozar, na universal Grandeza,
    Fecundas e arcangélicas preguiças.

    Publicado por Dorgival Soares

    Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

    Deixe um comentário

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

    Conectando a %s

    %d blogueiros gostam disto: