Pessoas de bem, povo de Deus

(Evangélicos em oração)

Nos anos 1970, os evangélicos representavam apenas 5% dos brasileiros. Hoje, devem ultrapassar um terço da população adulta do país. Espera-se que até o final da década superarão os católicos.

Ao falarmos em evangélicos em crescimento refiro-me, basicamente, aos neopentecostalistas, ou à Terceira Onda de Pentecostalismo. Esse movimento é relativamente novo, surgiu na década de 1970.

O Pentecostalismo tradicional havia surgido no início do século passado, como dissidência das denominações evangélicas dominantes, tais como a Batista, a Presbiteriana, Metodista etc.

Os neopentecostais são também conhecidos como “carismáticos“. Na Igreja Católica também surgiu um grupo com algumas dessas características, além das tentativas das “unidades eclesiais de base” e à própria “teologia da libertação”.

Alguns pastores “descobriram” que a libertação viria com a prosperidade – e dez por cento ficariam com eles.

Criaram, então, a “teologia da prosperidade”, apostando em Max Weber, para quem a ética protestante foi responsável pelo espírito capitalista existente e os países de doutrina protestante apresentaram prosperidade muito maior que os católicos.

Tornaram-se coaches e influencers de autoajuda com “respaldo” do divino.

O objetivo principal é sair e limpar-se da lama da miséria. Funciona, na maior parte dos entusiasmados (às vezes, desesperados).

Num país de poucas esperanças, a partir da falta de boa educação, o sucesso estava garantido. Sem o Estado e a solidariedade social, resta a esperança na transformação que Deus trará – naturalmente a partir de nossas ações, acreditando-se que Ele está por trás.

A política logo começou a explorar esse filão.

Não importa se um governante defende a tortura, a misoginia, a indiferença social, o uso de armas e outras manifestações psicopáticas; se ele apoia o movimento evangélico – que antes era discriminado pela sociedade predominantemente católica – terá seu apoio.

E se ele falar bonito, em família (mesmo no terceiro casamento), propriedade, combate ao comunismo, tradição, condenação do aborto, pátria … então!

Apesar de contrariar muitos dos preceitos cristãos, há um candidato com a preferência desses fiéis. Parece não importar que, apregoando João 8:32 (“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”), faça da mentira seu principal argumento.

O atual governante obteve dois terços dos votos dos evangélicos na eleição anterior, o que foi decisivo para sua eleição. Em pesquisa recente, ainda detém 48% das intenções de votos neste segmento. Púlpitos transformam-se em palanques. Pastores inflamados defendem seus favoritos. Por que? O que ganham com isso? Alguém vai proibir seu proselitismo?

Há muita pobreza e essa fragilidade é um campo para exploração pelos políticos e pelos intermediários de Deus na Terra. Antes, as promessas dos políticos eram mais tentadoras; as divinas eram para outra etapa, o pós-vida.

Quando descobriram que a “graça” divina pode começar por aqui, houve um esplendor! Como as startups, descobriram a “dor” de um mercado gigantesco.

Valores associados à família estão sendo valorizados. Mas, o principal é a renda, a garantia da comida e da habitação. Se der, busca-se boa educação, saúde e segurança. É tudo que se quer. Aliás, é o mínimo.

Nosso país, em pouco tempo, transformou-se: de cerca de 70% rural passou a 80% urbano!

Essas pessoas ainda trazem, do meio rural, a ideia de respeito e de obediência. Manipulá-las não é difícil, como não era no campo.

Porém, esforços apoiados pela esquerda, como o apoio à temática LGBTQIA+, a legalização do aborto e das drogas, combate à misoginia e machismo etc. não encontram eco no ambiente evangélico. Naturalmente. Estão lendo (interpretando) a Bíblia para eles.

Eles não querem saber – na sua maioria – de assuntos chatos, como mudanças tecnológicas, meio ambiente, política fiscal, ascensão social etc. Querem sobreviver, se possível, com dignidade.

Isso não quer dizer que não saibam como votar. O voto – para os pobres em geral – é uma resposta ao que é real para eles. Quem faz por eles (uma rua, uma camiseta, uma cesta básica …) merece seu voto. O Centrão sabe disso.

Segundo Juliano Spyer, autor de “Povo de Deus”, “na conversão, ganha-se a oportunidade de começar do zero: ele pode ser quem ele quiser e entende que não é melhor nem pior do que ninguém. Não quer ser comandado nem aceita ser paternalizado.”

Peço desculpas a muitos mas, há um contingente importante desses fiéis que não é “povo de Deus”: é rebanho de pastores ignóbeis e políticos hábeis em manipulação.

Esses evangélicos podem participar da política? Claro que podem. Os católicos sempre participaram!

Mas, isso não significa trazer para o ambiente político sua carga teológica. O país é laico!

Quanto maior for o sucesso político de grupos de pressão ligados a denominações específicas, mais os limites borrados da separação entre igrejas e o Estado, um pilar básico de democracias laicas, serão testados contra tentativas de expansão confessional da política. ( Rafael Mafei)

Parece haver um efeito econômico nessa adesão ao neopentecostalismo. O IBGE poderia retratar isso.

“O cristianismo evangélico é uma religiosidade que leva pessoas à classe média.

Não conduz ao enriquecimento, mas leva, primeiro, a uma disciplina geral: parar de frequentar o bar, usar drogas, ter relações fora da família. E a vida melhora.” (Spyer)

Nem se trata de meritocracia, mas de uma lista de prioridades sensatas.

A palavra de Deus parece resumir-se a cuidar de seus interesses pessoais. A mulher, normalmente vítima do fracasso familiar, adora.

O estímulo à leitura da Bíblia também funciona como um incentivo à educação, básica.

A mulher é importante para esse movimento: quando ela consegue levar a família toda para dentro da igreja, a vida fica mais previsível – porque sabe onde o marido está – e ela obtém status de poder dentro de casa, como mediadora do sagrado. Daí, serem as mulheres maioria nas conversões pentecostais.

Faltam pesquisas, mas acredita-se que o ingresso nas igrejas tem efeito sobre a redução do alcoolismo e da violência doméstica e acaba por empoderar as mulheres.

“o ambiente de muitas da igrejas evangélicas estimula a disciplina pessoal e a resiliência dos fiéis, promove a cultura do empreendedorismo, fortalece a atuação de redes de ajuda mútua e incentiva o investimento em instrução profissional.

Para as igrejas evangélicas, a pobreza é um problema individual.” (Juliano Spyer)

Essa visão, weberiana, parece ser mais produtiva para os pobres, como meio de progresso do que a visão coletivista da Igreja Católica.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: