“Esta vida é só desintegração.” (Tennessee Williams)

(Joan Didion, 1934-2021)

Em seu discurso de 21 de março de 1861, “Discurso da pedra angular” (Cornerstone Speech), o vice-presidente confederado Alexander H. Stephens apresentou o que ele acreditava serem as razões para o que chamou de “revolução”, que resultaria na Guerra de Secessão

Esse discurso é lembrado por muitos pela defesa da escravidão, seu delineamento das diferenças percebidas entre o Norte e o Sul e a retórica racial usada para mostrar a inferioridade dos afro-americanos. 

Poucas semanas após o discurso, em 12 de abril de 1861, as forças confederadas dispararam contra Fort Sumter, no porto de Charleston, iniciando a Guerra Civil Americana.

Vejam um trecho:

“Nosso novo governo se baseia exatamente na ideia oposta; suas fundações estão lançadas, sua pedra fundamental repousa sobre a grande verdade de que o negro não é igual ao homem branco; que a subordinação da escravidão à raça superior é sua condição natural e normal. 

Este, nosso novo governo, é o primeiro, na história do mundo, baseado nesta grande verdade física, filosófica e moral. (…)

Aqueles do Norte, que ainda se apegam a esses erros, com um zelo acima do conhecimento, denominamos justamente fanáticos. 

Todo fanatismo nasce de uma aberração da mente de um defeito no raciocínio. É uma espécie de insanidade. Uma das características mais marcantes da insanidade, em muitos casos, é formar conclusões corretas a partir de premissas fantasiosas ou errôneas; assim com os fanáticos anti-escravidão. 

Suas conclusões estariam certas se suas premissas estivessem. Eles assumem que o negro é igual e, portanto, concluem que ele tem direitos e privilégios iguais aos do homem branco. (…)

Muitos governos foram fundados sobre o princípio da subordinação e servidão de certas classes da mesma raça; tais foram e estão em violação das leis da natureza. 

Nosso sistema não comete tal violação das leis da natureza. 

Conosco, toda a raça branca, seja alta ou baixa, rica ou pobre, é igual perante a lei. 

Não é assim com o negro. A subordinação é o seu lugar. 

Ele, por natureza, ou pela maldição contra Canaã, está preparado para aquela condição que ocupa em nosso sistema.”

Como vivenciamos atualmente, os radicais atribuem suas falhas aos oponentes, inimigos. É uma tática de mistificação que funciona na mente de seguidores. E, apelam para a religião, como suporte ideológico!

Na década de 1970, Joan Didion e seu marido, John Gregory Dunne, fizeram uma viagem ao Sul dos EUA e, constrangida, constatou a permanência do ranço escravagista associado ao pensamento conservador. Não é por acaso que esta região, preponderantemente, apoia o partido Republicano, o nacionalismo radical e a moral tradicionalista.

Numa ocasião, para entrar num local que ela escolheu visitar, lhe foi perguntado se ela “tem marido”. Moradores a aconselharam a não se misturar com os “crioulos”. Alguém lhe perguntou se ela conhecia algum “homem negro de boa aparência”! Etc.

Ela também foi ao Oeste. Pressupunha que se conseguisse entender o Sul, entenderia algo sobre a Califórnia, porque muitos dos colonos que se estabeleceram na Califórnia vieram do Sul fronteiriço.

Porém, “o Sul e o Oeste representam os dois polos da experiência americana: o Sul afogando-se em seu passado e, o Oeste olhando adiante, para fronteiras distantes, com um otimismo fervoroso e inesgotável”, diz Nathaniel Rich.

O passado nem sequer é passado ainda, dizia Hannah Arendt. Didion vai além e sugere que o passado é também o futuro.

Algo me lembra o Brasil.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em ““Esta vida é só desintegração.” (Tennessee Williams)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: