O estelionato do nosso futuro

(Uma caravana na Rota da Seda, fonte: Wikimedia Commons)

Publiquei o texto abaixo em 17 de abril de 2021. Poucos leram, como é natural. Como o assunto permanece atual, resolvi republica-lo. Claro que a dinâmica geopolítica já agregou novos elementos – assim é a História.

É um preparativo sobre um artigo que pretendo escrever sobre o bicentenário da nossa Independência.

Sonhos são as maiores riquezas

“O comandante de um exército poderoso pode ser capturado. A aspiração de um homem comum, jamais.” (Confúcio)

A primeira das treze colônias que deram início aos EUA, a Virgínia, só foi fundada em 1607. O Brasil, então, era centenário.

169 anos depois, os EUA já eram independentes; no Brasil, a demora foi de 322 anos – e, por uma conveniência do príncipe.

Os americanos “do Norte” são a potência que são; nós somos um pária, caminhando para a irrelevância.

Destino? No que os EUA eram mais ricos? O que os diferenciou? As atitudes das pessoas, crenças (principalmente as religiosas) e os processos políticos, resumidamente.

Vejam os casos de reerguimentos de nações arrasadas no pós-guerra, como o Japão, a Alemanha – derrotados -, a União Soviética, Inglaterra e França – vitoriosos.

Coréia do Sul e Singapura deram as costas ao atraso e entraram no clube de desenvolvidos.

E a Suécia que, por exemplo, no século XIX era um país bastante pobre e atualmente é modelo de bem-estar social?

Falta ao Brasil um projeto de nação! Falta-nos união, sonhos comuns, e políticas públicas que nos capacitem, centradas em educação.

E ousadia, para sairmos da mesmice e resgatar nosso potencial. Não podemos deixar as iniciativas a cargo exclusivamente dos nossos representantes: “O momento exige que os homens de bem tenham a audácia dos canalhas“, dizia Benjamin Disraeli.

“Por que eu deveria ser como todo mundo? Só porque nasci numa família pobre?” (Michael Zhang)

Esta introdução é para falar da China, que independentemente do regime político, tem conseguido almejar um espaço hegemônico.

Não vou falar dos erros históricos; só do seu soerguimento.

Aquela China de empresas “maquiladoras” logo será uma lenda, assim como foram os produtos japoneses dos anos 60 e os coreanos, dos 80.

O país tem se tornado referência em inovação e patentes (já é o segundo país; o Brasil é o 34º) ao criar iniciativas de empreendedorismo e da tecnologia.

É o “Sonho Chinês”: a reconquista do papel de grande motor de inovação do mundo. Alguns exemplos:

  • Em novembro do ano passado, a China colocou em órbita o primeiro satélite com ‘tecnologia 6G’ do mundo, equipado com um transmissor e receptor capaz de comunicação na faixa de frequência dos Terahertz, o que tem como vantagens uma abundância de espectro e alta taxa de transmissão.
  • A Inteligência Artificial está em rápido desenvolvimento, impulsionada pela política estratégica de fusão civil-militar para a supremacia tecnológica global.
  • A engenharia genética ganhou as manchetes com os primeiros bebês geneticamente modificados, criados por um geneticista chinês. Eticamente questionável (três anos de prisão), porém mostra que o país está num estágio diferenciado.

Além de empenhar-se na inovação científica e tecnológica, atua na construção de um forte mercado interno, no fortalecimento das áreas rurais (a produção anual de cereais chega a 670 milhões de toneladas – o Brasil produz 268 Mt) , e no desenvolvimento verde. Há metas para até 2050.

Do ponto de vista geopolítico a ambição é enorme, com o projeto “Belt and Road Initiative“, a Nova Rota da Seda, que liga Ásia, Oriente Médio, Europa e África, por meio de ferrovias, portos e outras obras de infraestrutura. Para os que dizem que se trata de colonialismo, seria irônico ver a Europa sendo “colonizada”.

O governo brasileiro atual é refratário a parcerias com a China. Alega-se sua ideologia, comunista, como se ela estivesse preocupada em disseminar seu sistema político.

A ideologia da China é o já citado “Sonho Chinês”: restabelecer sua supremacia em tecnologia e o consequente bem-estar do seu povo. Pragmatismo.

Pragmatismo, entretanto, é condenado por Olavo de Carvalho, para quem “Marxismo, pragmatismo, nietzscheanismo e freudismo nada nos dizem a respeito da realidade, mas tudo a respeito da mentalidade de seus adeptos. São os quatro pilares do barbarismo contemporâneo”.

O seu discípulo, ex-ministro Ernesto Araújo, repetia: “O Brasil não vai vender sua alma para exportar minério de ferro e soja”, a respeito de se evitar maior contágio com a China.

O presidente também não vê muita importância em trabalhos conjuntos com a China: “… a China precisa muito mais de nós”, acredita.

Sua confiança reside na crescente importação de minérios e grãos pela China. Sim. Mas, até quando estaremos com toda essa bola?

Desde 2006, os chineses vêm ajudando os africanos a construir centros de ciências agrárias e oferecendo bolsas para jovens africanos na China.

No final do ano passado, a China formalizou um acordo de compra de soja da Tanzânia, país que tem na agricultura sua principal atividade econômica. Volume irrelevante, mas é o início da colheita dos seus planos de longo prazo.

A Tanzânia era o último país africano que não tinha tratado de comércio agrícola com a China.

Firmou, também, uma parceria com a Rússia, pela qual se compromete a aumentar as compras de soja da Rússia para quase 4 milhões de toneladas.

Enquanto diversifica suas fontes de abastecimento, estende sua influência geopolítica!

“…a diversificação geopolítica e comercial que a China está fazendo é o que o Brasil deveria fazer.

Uma relação comercial pragmática, na qual prevalece o interesse de longo prazo.

Enquanto a China planeja seu futuro pelas próximas décadas, o Brasil não consegue criar políticas públicas de comércio nem de quatro em quatro anos.

Essa falta de coordenação explica por que a China, que tinha um PIB inferior ao brasileiro no fim da década de 1970, hoje tem um PIB cinco vezes maior.” (Andre Inohara)

O mesmo raciocínio se aplica aos minérios.

“No idioma chinês a palavra “Mìng” está fortemente vinculada ao Céu, como “comando ou mandato do Céu”.

Era o Céu que nomeava o imperador, e essa nomeação era sua justificativa para o cargo.

Mas isso, como contrapartida, obrigava-o a se manter espiritualmente digno dessa função. Dessa forma, o imperador, diferentemente do que ocorria no Ocidente, não tinha direito divino para governar, ele recebia um mandato divino para tal.

Caso ele se mostrasse impróprio para o cargo, interpretava-se que o Céu tinha revogado o mandato, e assim se justificavam as mudanças dinásticas.” (Jorge Vulibrun)

Então, o imperador estava fadado a governar, senão …

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em “O estelionato do nosso futuro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: