“Aquilo que repousa na transformação fluida”

(Paul La Cour, 1902-1956)

Paul Arvid Dornonville de La Cour, nasceu em 1902 e viveu até 1956. Foi escritor, poeta, tradutor e crítico literário dinamarquês.

AGORA VOU

Agora entro na pedra,
logo serei montanha e frio,
se não posso abrir minha profundidade,
terei que ser uma fechadura.
Algum dia as montanhas vão estourar,
algum dia as fechaduras vão saltar,
a pedra vai levantar seu olho sonolento
e estranhamente explodir em uma canção.
Se eu puder andar pela rocha,
esquecer minha inquietação no escuro,
esperar o fim da minha vida de pedra,

então meu cadeado saltará,
então voltarei transformado
deitado nu na grama,
então virei sem nome,
então minha mão terá se tornado uma asa,
então serei palavras silenciosas,
silêncio flutuante calmo, inocência,
rios de inconsciência,
então minha vida no rio terá cessado.

LIMITE

Meus quatro elementos: os pássaros, as árvores, a grama e o mar. 

Aquilo que balança suavemente, a sempre fiel rocha verde da pureza, a eternidade do retorno, e aquilo que repousa na transformação fluida. 

Coloquei seu trevo sobre nossas feridas. Você poderia curá-las se quisesse. 

A tua melancolia é mesquinha: nem sequer ousa viver plenamente. 

Se vocês se jogarem na estaca, onde o domínio humano de Deus foi queimado, eu não serei seu cantor. 

Eu ouso rir, ouso esperar, ouso cantar o que está escondido de mim. 

Junte as mãos. Estaremos onde os mares curam. O futuro joga à nossa porta.

A ÁGUA SOB A GRAMA

Os anciãos da região dizem que um enorme veio de água corre profundamente sob a escassa terra .

Acontece que eles podem ouvi-la sussurrar, quando a noite está silenciosa.
Dizem que soa distante como uma mola no peito da terra.

Eles estão em suas camas ouvindo o pulso, que vive
nos quartos sob a grama na terra que fica verde.

Talvez haja um sorriso, uma fonte secreta,
uma veia risonha de água viva enterrada em todas as coisas.

E quando das tábuas do solo da barraca ouvem a canção
da veia da água, a vida parece uma história para eles e o dia menos difícil.

Eles imaginam que vivem e estão em um abraço escuro, onde tudo se fecha em torno de um sonho,

e ninguém tem idade nem nome.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em ““Aquilo que repousa na transformação fluida”

  1. Paul Arvid Dornonville de La Cour, que nasceu e viveu nesse século, porém , seus poemas bastante rebuscados onde faz uma profunda exaltação sobre lementos como água, terra mar, pedras. Dá-nos a impressão que o materialismo era alvo de seus poemas. Acredito ser mais um poeta que difere, como tantos outros, da idéia de uma vida futura. E sim, adepto do ateísmo. Fala também de águas e finalmente cita “Eles imaginam que vivem e estão em um abraço escuro, onde tudo se fecha em torno de um sonho,
    e ninguém tem idade nem nome.”
    Vivia como muitos poetas cuja característica é desprezar o material e valorizar os sonhos. Belos poemas, porém como é sabido ninguém jamais entrou na alma do poeta.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: