A dor educa

(Elisabeth Kübler-Ross, 1926-2004)

“As pessoas mais bonitas que conhecemos são aquelas que conheceram a derrota, o sofrimento reconhecido, a luta, a perda, e encontraram seu caminho para fora das profundezas.

Essas pessoas têm uma apreciação, uma sensibilidade e uma compreensão da vida que as enche de compaixão, gentileza e uma profunda preocupação amorosa.

Pessoas bonitas não acontecem apenas.” (Elisabeth Kubler-Ross)

(Pintura de John Everett Millais)

A médica Elisabeth Kübler-Ross tentou mudar a maneira como o mundo vê a morte e o morrer. Através de seus livros e muitos anos de trabalho com crianças, pacientes de AIDS e idosos portadores de doenças terminais, trouxe consolo e compreensão para muitas pessoas que lidavam com a própria morte ou com a de entes queridos.

Algo semelhante é desempenhado por aqui pela médica Ana Claudia Quintana Arantes.

Ao escrever o livro “Sobre a morte e o morrer”, prefaciou:

“Pedimos que o paciente fosse nosso professor, de modo que pudéssemos aprender mais sobre os estágios finais da vida com suas ansiedades, temores e esperanças.

Transcrevo simplesmente as experiências de meus pacientes, que me comunicaram suas agonias, expectativas e frustrações.

É de esperar que outros se encorajem a não se afastarem dos doentes ‘condenados’, mas a se aproximarem mais deles para melhor ajudá-los em seus últimos momentos.”

“Não me deixe rezar por proteção contra os perigos, mas pelo destemor em enfrentá-los.

Não me deixe implorar pelo alívio da dor, mas pela coragem de vencê-la.

Não me deixe procurar aliados na batalha da vida, mas a minha própria força.

Não me deixe suplicar com temor aflito para ser salvo, mas esperar paciência para merecer a liberdade.

Não me permita ser covarde, sentindo sua clemência apenas no meu êxito, mas me deixe sentir a força de sua mão quando eu cair.”

(Rabindranath Tagore)

Atualmente, tem aumentado absurdamente o número de pacientes com distúrbios psicossomáticos, com problemas de comportamento e ajustamento. Há mais casos de problemas emocionais nas salas de espera dos consultórios médicos do que jamais houve.

Enquanto isso, também cresce o número de pacientes mais velhos que procuram não somente viver com suas limitações e habilidades físicas diminuídas mas também enfrentar a solidão e o isolamento com os anseios e angústias que deles advêm. A maioria não consultou psiquiatras, só os amigos e parentes. Essa rede social tende a desaparecer.

A morte não é algo trivial: em nosso inconsciente, a morte nunca é possível quando se trata de nós mesmos. Não nascemos preparados para o fim, ao contrário: esperneamos e combatemos até o último suspiro – é a lei da sobrevivência e da evolução.

“Quanto mais avançamos na ciência, mais parece que tememos e negamos a realidade da morte. Como é possível?

Há muitas razões para se fugir de encarar a morte calmamente. Uma das mais importantes é que, hoje em dia, morrer é triste demais sob vários aspectos, sobretudo é muito solitário, muito mecânico e desumano. Às vezes, é até mesmo difícil determinar tecnicamente a hora exata em que se deu a morte. Morrer se torna um ato solitário e impessoal porque o paciente não raro é removido de seu ambiente familiar e levado às pressas para uma sala de emergência.” (Kübler-Ross)

Há um esforço de se terceirizar o evento da morte, a partir dos avanços tecnológicos capazes de prolongar o desfecho. Técnicas de suportes artificiais de vida, distanásia, levam a existência muitas vezes a perder a dignidade e o sentido.

Às vezes, médicos conscientes permitem a ortotanásia, e param de intervir no prolongamento da vida do paciente além do seu período natural, exceto se expressamente requerido pelo doente.

Afinal, a vida é um direito, não um dever.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em “A dor educa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: