A visão mágica do mundo

(Os cárceres de Piranesi, 1720-1778)

O partido Nacional Socialista Alemão, além do estilo militarista prussiano, tinha uma dimensão messiânica, baseada na raça – sustentada, supostamente, por crenças esotéricas.

Pregava uma tentativa mágica para alterar o mundo. Além da supremacia racial, o objetivo era a criação de uma nova raça de super-homens. Esse novo ser teria um poder ilimitado e venceria a morte; seria um ser divino.

A vida podia ser entendida como nas gravuras dos cárceres de Piranesi, que representaria o que acorrenta os seres humanos: o tormento de sabermos que somos mortais, a imensidão do espaço que lembra nossa pequenez, o homem como Sísifo – condenado a perder a batalha pela vida. Nessa visão egoísta, o homem deveria ser o centro de tudo; “certos” homens, digo.

Antes dos super-homens, era preciso livrar-se dos subumanos (untermensch).

A ciência não era seu norte, mas outros “saberes” como a geomancia, simbolismo, folclore, a magia pagã da Germânia pré-cristã, o culto solar de Ahura Mazda, prospecções subterrâneas, magnetismo, cosmologias alternativas, teorias raciais etc.

A Alemanha tinha uma longa tradição em sociedades secretas. Houve, até, uma espécie de Tribunal Secreto (Vehm), cujos associados eram chamados de “iluminados”.

O Vehm foi criado por Carlos Magno, em 772 d.C., após a conquista da Saxônia, quando os pagãos sofreram um reinado de terror.

Frederico o Grande (1712-1786), admirado por Hitler como o maior alemão de todos os tempos, era um ávido patrocinador e estudioso do ocultismo.

Com a vitória prussiana contra os franceses, em 1871, nascia o Segundo Reich alemão (o Primeiro teria sido durante o antigo Sacro Império Romano-Germânico). Apesar da unificação dos outrora estados independentes da Alemanha, não havia coesão nacional entre eles, além da língua. Foi necessário o resgate do que caracterizaria a “civilização teutônica”. O esforço, bem sucedido, procurava mostrar a superioridade da cultura alemã, que superaria às das civilizações clássicas grega e romana.

Com o desastre, inesperado para a maioria dos alemães, da I Guerra Mundial, ruíram as velhas lealdades – com Deus, o Kaiser, a pátria e com o “invencível” exército.

Esse clima desestabilizou a Alemanha e foi terreno para todas as aventuras extremistas, anarquistas, comunistas e nacionalistas de direita.

Os nacionalistas restauraram os métodos do Vehm, e o terror se espalhou. E, o pensamento místico e ocultista rebrotou. As principais lideranças nazistas tinham essa origem.

Em 1918, um nobre alemão, Rudolf von Sebottendorff, fundou a sociedade ocultista Thule, baseada na Ordem Germânica, que aglutinava várias associações nacionalistas.

O nome Thule era uma referência ao mítico reino, uma espécie de Atlântida nórdica.

Dessa sociedade nasceria o Partido dos Trabalhadores Alemães, origem do partido nazista.

Karl Haushoffer, um membro da Thule, desenvolveu a ideia de “sangue e solo”, segundo a qual a supremacia de uma raça depende da conquista do seu “espaço vital” (Lebensraum): para uma nação o espaço não seria apenas um veículo de poder, mas o próprio poder.

Hitler, um desses fanáticos ressentidos da época, pregava “… precisamos de orgulho, vontade, desafio, ódio, ódio e mais ódio.”

Hoje vemos esse lema se espraiando e conquistando adeptos. Sabemos como termina.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: