Intocáveis

Moradores de rua são alvo de protesto em Florianópolis: "Não precisamos de  mendigos: Fora!" - Revista Fórum

Falei noutro dia sobre os invisíveis; agora, abordo os intocáveis.

Temos por aqui os que são intocáveis porque são inalcançáveis, inatingíveis, ninguém pode lhes tocar e, há aqueles que são intocáveis porque ninguém lhes quer tocar, e eles não tocam nosso coração.

Os primeiros são os poderosos, principalmente os políticos, os magistrados, altos empresários, herdeiros, os encastelados na burocracia do poder e seus puxa-sacos.

Nós, entretanto, em geral, somos corresponsáveis pelo modo como somos governados. Nós os elevamos ao poder e passamos a reverenciá-los como “autoridade”; nós adquirimos seus produtos; nós nos curvamos à burocracia; nós nos calamos e nos resignamos.

Os que evitamos tocar e que não tocam nossa sensibilidade, os mendigos, os viciados, os desalentados, os desempregados, os entregues aos seus “destinos”, vemos como fracassados, fracos de empenho e de caráter. Parece um castigo merecido, afinal não se esforçaram suficientemente.

“São aqueles que andam a caminho de nada. Vagueiam, dormem ou estão só de olhos abertos, com o espanto de quem não é deste mundo”, no dizer de Alexandra Lucas Coelho.

Circulam por calçadas, ocupando o espaço dos não-miseráveis, onde à noite hão de estender seus corpos. Perturbam o bem-estar da “minoria hidratada que sobe e desce as escadas dos shoppings, esta imensa minoria que a maioria dos brasileiros aspira a ser, às prestações”

Karl Jaspers, em A Questão da Culpa, enumera quatro tipos de culpa. Cabe aqui a Culpa Metafísica (as outras são a Criminal, a Política e a Moral):

“Existe uma solidariedade entre pessoas enquanto pessoas, que torna cada um corresponsável por toda incorreção e toda a injustiça no mundo, especialmente por crimes que acontecem em sua presença ou que são do seu conhecimento.

Se não faço o que posso para evitar isso, também tenho culpa.

Se não dediquei minha vida a evitar o assassinato de outros, mas fiquei ali, sinto-me culpado de certa forma que não é compreensível do ponto de vista jurídico, político e moral.

O fato de eu ainda estar vivo ao acontecer certa coisa deita-se sobre mim como uma culpa inextinguível.

Como seres humanos, se não formos poupados disso por um golpe de sorte, chegamos a um limite, que temos que fazer uma escolha: arriscar a vida incondicionalmente, sem objetivos, por não haver perspectiva de sucesso, ou preferir ficar vivo, pela impossibilidade de sucesso.

O fato de vigorar em algum lugar entre as pessoas a incondicionalidade de viver apenas em comunidade ou então não viver – caso sejam cometidos crimes contra um ou outro, ou caso as condições de vida precisem ser divididas – é o que perfaz a substância de sua essência.

Mas isso não se estende à solidariedade de todas as pessoas, nem de todos os cidadãos, nem mesmo de grupos menores, mas se restringe apenas à mais íntima ligação humana, e é o que perfaz essa culpa de nós todos – a instância é apenas Deus.”

Identifico-me com os desprovidos, os desassistidos; aqueles intocáveis que fracassaram na vida. O vão sucesso, que cega a muitos, não é a estrela que me guia.

Lembro-me de um ilustre fracassado, Darcy Ribeiro:

“Fracassei em tudo o que tentei na vida. Tentei alfabetizar as crianças brasileiras. Tentei salvar os índios. Tentei fazer o Brasil desenvolver-se autonomamente, mas os fracassos são minhas vitórias.
Eu detestaria estar no lugar de quem me venceu.”

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

4 comentários em “Intocáveis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: