O tempo

An interview with Ilya Prigogine - Interalia Magazine
(Ilya Prigogine, 1917-2003)

No início, era o caos. Já ouvimos isso. Embora pareça que estamos sempre no início, uma vez que o caos se alastra.

Até o caos tem leis, apesar de se supor “imprevisível”. As leis da natureza eram assumidamente deterministas e reversíveis no tempo. Com a introdução do caos, a noção de lei da natureza passou a abarcar os conceitos de probabilidade e de irreversibilidade.

Esta é argumentação de Ilya Prigogine (1917-2003), Nobel da Química em 1977. Ele aprofundou-se na termodinâmica e criou a teoria das estruturas dissipativas (estruturas de não-equilíbrio).

O caos existe porque a maior parte dos sistemas é de natureza instável – o caos é sempre a consequência de fatores de instabilidade. Nesses sistemas, uma pequena perturbação amplifica-se, e trajetórias inicialmente próximas divergem.

O tempo, sua existência, parece ser comprovado a partir da observação na natureza que os processos tendem a evoluir espontaneamente de estados com menos desordem para estados com mais desordem (entropia), e essa propensão pode ser usada para identificar uma flecha do tempo.

Muitos físicos acreditam que o tempo é uma “ilusão”, como escreveu Einstein: “Para nós, físicos convictos, a distinção entre passado, presente e futuro não passa de uma ilusão, ainda que persistente.

Para Prigogine, o conceito de irreversibilidade é essencial tanto para a termodinâmica quanto para a biologia.

No entanto, na semana passada, pesquisadores da Universidade de Viena divulgaram que a fronteira entre o tempo se movendo para frente e para trás pode ficar confusa na mecânica quântica.

“Se um fenômeno produz uma grande quantidade de entropia, observar sua reversão no tempo é tão improvável que se torna essencialmente impossível. No entanto, quando a entropia produzida é pequena o suficiente, há uma probabilidade não desprezível de ver a reversão de um fenômeno ocorrer naturalmente.

Se nos mostrassem nossa pasta de dente movendo-se da escova de volta para o tubo, não teríamos dúvidas de que seria uma gravação retrocedida. No entanto, se apertarmos o tubo suavemente para que apenas uma pequena parte da pasta de dente saia, não seria tão improvável observá-lo reentrando no tubo, sugado pela descompressão do tubo.” (Giulia Rubino)

“Em nosso trabalho, quantificamos a entropia produzida por um sistema que evolui em superposição quântica de processos com flechas de tempo opostas. Descobrimos que isso geralmente resulta em projetar o sistema em uma direção de tempo bem definida, correspondendo ao processo mais provável dos dois. E ainda, quando pequenas quantidades de entropia estão envolvidas, então pode-se observar fisicamente as consequências do sistema ter evoluído para a frente e para trás, em duas direções temporais ao mesmo tempo.” (Gonzalo Manzano)

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em “O tempo

Deixe uma resposta para José Bernardo de Medeiros Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: