Escolha uma cor (Etgar Keret)

Conto inédito de Etgar Keret: 'Esposa de pedra' - Jornal O Globo
(Etgar Keret, 1967)

Etgar Keret é um autor israelense, cujos contos nos deixam fora de lugar. O trivial é mesclado com disparates e fantasias, supostamente improváveis (inesperadas, indesejadas).

Ele orgulha-se de ser o autor cuja obra é a mais furtada nas bibliotecas públicas de Israel.

Prefere ser reconhecido como judeu do que como israelense: os judeus se construíram sobre a dúvida. Na sombra havia luz.

O conto abaixo foi extraído do livro “De repente, uma batida na porta”; o fantástico e o nonsense à espreita.

ESCOLHA UMA COR

Um homem negro se mudou para uma rua de brancos.

Morava em uma casa preta com uma varanda preta onde costumava sentar-se todas as manhãs e tomar o seu café preto.

Até que em uma noite escura, seus vizinhos brancos entraram em sua casa e o espancaram violentamente.

Fizeram-no em pedaços. Ficou ali enrolado como um cabo curvo de guarda-chuva em uma poça de sangue negro, e eles continuaram a espancá-lo.

Até que um deles começou a gritar que era bom parar porque, se ele morresse de repente em suas mãos, eles poderiam acabar na prisão.

O homem negro não morreu nas mãos deles.

Uma ambulância chegou e o levou para bem longe, para um hospital encantado no topo de um vulcão inativo.

O hospital era branco. O portão era branco, as paredes dos quartos eram brancas, assim como os lençóis.

O negro começou a se recuperar.

A se recuperar e a se apaixonar .

A se apaixonar pela enfermeira branca, de uniforme branco, que cuidou dele com a maior devoção e bondade.

Ela também o amava. E o amor deles se fortaleceu, exatamente como ele, a cada dia que passava; fortaleceu-se e aprendeu a sair da cama e a se arrastar.

Como um bebê. Como uma criancinha. Como um homem negro que tinha sido espancado.

Casaram-se em uma igreja amarela.

Um padre amarelo os casou. Seus pais amarelos tinham chegado àquele país em um navio amarelo.

Eles também haviam sido espancados por seus vizinhos brancos.

Mas o padre não falou sobre isso com o homem negro. Mal o conhecia e, de qualquer maneira, não parecia ser realmente o melhor momento para dizer algo, havia a cerimônia e tudo mais.

O padre amarelo planejou dizer que Deus os ama e deseja-lhes tudo de melhor.

Ele não tinha plena certeza dessas coisas, apesar de ter tentado muitas vezes se convencer disso.

Que Deus ama a todos e deseja a todos apenas o melhor.

Mas naquele dia, quando casou o homem negro espancado que ainda não tinha nem trinta anos e já estava coberto de cicatrizes e sentado em uma cadeira de rodas, foi mais difícil para ele acreditar.

“Deus ama vocês”, ele finalmente disse.

“Deus ama vocês e deseja-lhes tudo de melhor”, disse e envergonhou-se.

O homem negro e a mulher branca viveram juntos e felizes.

Até que um dia, quando a mulher voltou do armazém, um homem marrom, com uma faca marrom, que a esperava na escada disse a ela que entregasse tudo o que tinha.

Quando o homem negro chegou em casa, encontrou-a morta.

Ele não entendeu por que o homem marrom a esfaqueara, ele poderia simplesmente ter pego o dinheiro dela e fugido.

O funeral teve lugar na igreja amarela do sacerdote amarelo, e quando o homem negro o viu, agarrou-o pelo manto amarelo e disse: “Mas você disse. Você nos disse que Deus nos ama. Se Ele nos ama, por que fez tudo isso?”

O sacerdote amarelo tinha uma resposta pronta.

Uma resposta que tinham lhe ensinado ainda no seminário.

Algo sobre os misteriosos caminhos de Deus e que, agora que a mulher estava morta, ela certamente está mais perto d’Ele.

Mas em vez de usar essa resposta, o padre começou a praguejar.

Amaldiçoou Deus violentamente.

Insultos ofensivos e dolorosos que nunca tinham sido escutados antes no mundo.

Maldições tão ofensivas e dolorosas que até Deus se sentiu ofendido.

Deus entrou na igreja amarela pela rampa para deficientes.

Ele também estava em uma cadeira de rodas, também já havia perdido alguém certa vez.

Ele, Deus, era prateado. Não o prateado brilhante de uma BMW, era um prateado fosco.

Uma vez, quando Ele estava deslizando entre as estrelas prateadas com sua amada prateada, um bando de deuses dourados os atacou.

Quando eram crianças, Deus havia espancado um deles, um deus dourado baixo e mirrado, e agora este deus tinha crescido e voltado com seus amigos.

Os deuses dourados bateram n’Ele com bastões dourados de sol e não pararam enquanto não acabaram de quebrar cada um dos ossos do Seu corpo divino.

Levou anos até que Ele se recuperasse.

A amada nunca se recuperou. Tornou-se um vegetal. Conseguia ver e ouvir tudo, mas não conseguia dizer nada.

O Deus prateado decidiu criar uma raça à Sua própria imagem, assim ela assistiria para passar o tempo.

Esta raça realmente se parecia com Ele: golpeava e vitimava exatamente como Ele.

E a amada prateada, de olhos arregalados, olhava extasiada por horas as pessoas daquela raça, olhava sem derramar sequer uma lágrima.

“O que é que você acha?”, o Deus prateado, frustrado, perguntou ao padre amarelo, “Acha que criei vocês assim pois foi o que escolhi? Que sou uma espécie de pervertido ou sádico que curte todo este sofrimento? Criei vocês assim porque isto é o que eu sei. É o melhor que posso fazer.”

O padre amarelo se pôs de joelhos e implorou Seu perdão.

Se à sua igreja tivesse vindo um deus mais forte, ele certamente continuaria a xingar mesmo que tivesse que ir para o inferno por conta disso.

Mas ver o Deus prateado, aleijado, despertou nele arrependimento e dor, e ele realmente desejou ser perdoado.

O homem negro não se pôs de joelhos e implorou Seu perdão.

O homem negro não se pôs de joelhos. Com a parte inferior do corpo paralisada, já não era capaz de fazer coisas assim.

Continuou sentado na sua cadeira de rodas e imaginou uma deusa prateada em algum lugar do céu olhando para ele de olhos arregalados.

Foi dominado então por uma sensação de propósito, e até de esperança.

Ele não conseguiu explicar para si mesmo por quê, mas o pensamento de que sofria exatamente como um deus fez com que se sentisse abençoado.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

2 comentários em “Escolha uma cor (Etgar Keret)

  1. Não gostaria de ater-me a ao fato em si. Uma vez que sua analogia é totalmente divergente do que prega os evangelhos. Nem aterme-me a “Istória” pois é um devaneio das nossas mentes humanas. Apenas um fato me chamou a atenção que pudesse falar algo. Por ser Israelense , o autor do texto original, incorre nesses devaneios , já que o deus deles é diferente do nosso. Outro fato que me chamou atenção é a variedades de cores para narrar um fato até comovente. Tais devaneios se baseia na teoria de “cada qual tem o Deus da cor que deseja” o dele era prata. Ainda hoje vemos em nossa cultura oriental e ocidental deuses de cores variadas .ex.Buda. qual a sua cor? Yemanja qual a sua cor? E tantos outros. Portanto, sem me ater a muitos deuses uma coisa é certa “cada um tem a cor do deus que serve” . O meu como narra as Escrituras Sagradas :MARAVILHOSO, CONSELHEIRO ,DEUS FORTE, PAI DA ETERNIDADE E PRÍNCIPE DA PAZ. ” É esse Deus que sirvo por toda eternidade. Os outros são devaneios de uma mente umana, que ainda aguarda a chegada do Rei de Israel. O conto é triste mas a mensagem me leva a crer ser essa. Um texto comovente.

    Curtir

  2. As infinitas possibilidades que comporta cada vida manifestada, limitadas, como diz minha esposa, por riscas de giz marcada no chão. Somos muito mais que enredos predeterminados.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: