Fé e dinheiro: tudo a ver

Epístola do Iêmen, do Rambam, foi escrita no ano de 1172
(Maimônides, 1138-1204)

Maimônides é considerado um dos mais importantes pensadores medievais, não só para os judeus; também influenciou a Escolástica cristã.

Filósofo, estudioso do Talmude, era médico de formação. Chegou a ser líder (nagid) da comunidade judaica do Cairo.

Foi muito criticado pelos rabinos, por não ter se manifestado favoravelmente ao dogma judaico da ressurreição dos mortos, precisamente a dos corpos, tendo se contentado em abordar a ressurreição das almas.

Convenhamos, ressurreição dos corpos é demais!

No seu “Guia dos Perplexos”, tenta explicar “certos termos que aparecem nos livros proféticos”:

“Explicar certas figuras obscuras que estão nos livros proféticos, mas, que não são propriamente caracterizadas como tais.

Ignorantes e leitores superficiais as tomaram no sentido literal e não no sentido figurado.

Mesmo aqueles bem informados ficam perplexos ao tomarem estas passagens em sua significação literal, mas ficam totalmente aliviados desta perplexidade ao explicitarmos a figura, ou meramente sugerirmos que os termos são figurativos.”

Ele, representa a separação entre a fé autêntica, ponderada, esclarecida e tolerante e, doutro lado, a intransigência, mãe do fanatismo.

Por volta de 1180, ele provocou o que é chamado entre os judeus de “a grande controvérsia”.

Foi o conflito que opôs Maimônides – então já um líder carismático – aos dirigentes tradicionais do judaísmo, que se “consideravam” descendentes de Davi.

Maimônides criticava essas pessoas “que, por sua própria iniciativa, fixam as somas de dinheiro que pedem aos indivíduos e às comunidades. Assim, de forma abusiva, levam o povo a pensar que é conveniente e obrigatório ajudar financeiramente aqueles que estudam a Torá… Tudo isso é falso. Não existe uma só palavra, nem na Torá, nem nos comentários dos sábios do Talmude, que leve a pensar desse modo. Nestes últimos, não existe nenhuma demanda de dinheiro ao povo, nem alusão a coletas destinadas às academias talmúdicas.”

Mexeu com um vespeiro, os malafaias (ver significado nalgum dicionário) da vida. Interesses – a fé como fonte de recursos; na minha opinião, o mais absurdo caso de estelionato.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: