O tempo não existe, nem as coisas

Carlo Rovelli, o físico que pode vir a provar que o Big Bang não foi o  princípio de tudo: “O LSD abriu a minha mente” – Observador
(Carlo Rovelli, quando jovem)

A relatividade geral do sr. Einstein e a física quântica caminham juntas, numa possível teoria da gravidade quântica em loop (ainda em debate e em disputa com a teoria das cordas) para, entre outras coisas, exterminar o tempo.

Bom, não teremos mais tempo? Para nada? Preciso terminar algumas coisas.

Não é bem isso. O tempo continua existindo, porém, precisamos vê-lo de forma diferente da que estamos habituados.

“O tempo não é único: há uma duração diferente para cada trajetória; ele passa em ritmos diferentes dependendo do lugar e da velocidade.

Não é orientado: nas equações elementares do mundo não existe diferença entre passado e futuro, é apenas um aspecto contingente que aparece quando olhamos as coisas sem prestar atenção nos detalhes; neste desfocamento, o passado do universo estava num estado curiosamente ‘peculiar’.

A noção de ‘presente’ não funciona: no vasto universo, não existe nada que possamos chamar de ‘presente’ aceitável. (…)” (Carlo Rovelli)

Além disso, há uma maneira (muito) diferente de vermos as coisas.

Elas, as coisas, também somem! O mundo não é um conjunto de coisas, é um conjunto de eventos.

A diferença entre coisas e eventos é que as coisas (como as percebemos) permanecem no tempo; os eventos têm duração limitada. Mas, até as coisas que mais parecem “coisas” no fundo não passam de longos eventos.

A realidade nem sempre é o que parece. A terra parece plana, mas é esférica; o Sol parece se mover no céu, mas somos nós que giramos.

Vejamos a noção de gravidade: as coisas caem por causa da desaceleração do tempo. No espaço interplanetário – onde o fluxo do tempo é uniforme – as coisas não caem, flutuam.

Aqui, na superfície da Terra, o movimento das coisas se volta para onde o tempo passa mais devagar. As coisas vão para baixo porque embaixo o tempo é desacelerado pela Terra.

Tudo que falo aqui são reproduções das ideias de Carlo Rovelli, físico teórico, especialista no estudo da gravidade quântica.

Para ele, “a realidade é tecida por relacionamentos” e, “a vida é uma explosão de significados”.

A reportagem abaixo traz um pouco sobre a visão de Rovelli.

Se ficou curioso, sugiro seus livros “A Ordem do Tempo” e “O Abismo Vertiginoso”.

https://www.bbc.com/portuguese/geral-57216160.amp

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em “O tempo não existe, nem as coisas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: