Pai contra mãe

(Joaquim Maria Machado de Assis, 1839-1908)

Machado de Assis nasceu no Rio de Janeiro, filho de um mulato e uma lavadeira portuguesa. Não gostava, porém, de abordar questões escravagistas.

Em 1906, 18 anos após o fim da escravidão, entretanto, publica o conto “Pai Contra Mãe”, no livro “Relíquias da Casa Velha”.

Neste conto a escravidão é o ambiente usado para destacar a ambivalência dos sentimentos humanos: “a cegueira da necessidade” alimentando o egoísmo, a indiferença em relação à dor do outro.

O personagem central é Cândido Neves, uma pessoa que não se sentia com aptidão ou apetite por nenhum trabalho regular, mesmo que fosse o de simples atendente, pois “a obrigação de atender e servir a todos feria-o na corda do orgulho”.

Como desocupado convicto, exercia o trabalho de capturar negros fugidos, administrando seu tempo e recebendo as recompensas. Seu nome já indica a oposição a negros.

Essa atividade era moralmente justificada, visto que “a ordem social e humana nem sempre se alcança sem o grotesco, e alguma vez o cruel”, e, ele “se sentia bastante rijo para pôr ordem à desordem.”

A idade o empurra ao casamento, com Clara (nome adequado) e passam a viver dessas eventuais rendas, na casa da tia da esposa.

Com o aumento de desocupados, escasseiam as chances de captura de negros fugidos, e a fome se torna um fantasma a amedrontá-lo, após o nascimento do primeiro filho.

Na noite que, relutantemente, leva o recém-nascido para entregá-lo à Roda dos Enjeitados, avista uma negra fugida, Arminda. Sua captura seria sua redenção, em função da boa recompensa. Arminda estava grávida.

“Houve aqui luta, porque a escrava, gemendo, arrastava-se a si e ao filho.

Quem passava ou estava à porta de uma loja, compreendia o que era e naturalmente não acudia.

Arminda ia alegando que o senhor era muito mau, e provavelmente a castigaria com açoutes, – cousa que, no estado em que ela estava, seria pior de sentir.

Com certeza, ele lhe mandaria dar açoutes. (…)

Arminda caiu no corredor.

Ali mesmo o senhor da escrava abriu a carteira e tirou os cem mil-réis de gratificação.

Cândido Neves guardou as duas notas de cinquenta mil réis, enquanto o senhor novamente dizia à escrava que entrasse.

No chão, onde jazia, levada do medo e da dor, e após algum tempo de luta a escrava abortou.

“ – Nem todas as crianças vingam, bateu-lhe o coração.”

Cândido e Arminda lutam por seus filhos, mas até na desgraça há favoritismos.

Machado de Assis: HQ Pai contra Mãe

Argumento original: Machado de Assis, conto “Pai contra mãe”/ Roteiro/decupagem: Rapha Pinheiro e Thais Linhares/ Arte gráfica: Thais Linhares/ Edição: Octávio Aragão/ Publicação: ECO-UFRJ.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: