À curva do imprevisível, por Jénerson Alves

E, de repente, vem uma notícia que não se espera. De repente, vem um diagnóstico implacável. De repente, um broto de dor é gerado no coração.

As lágrimas escorrem pela face. A perplexidade transparece no olhar. O peito pulsa. E para. E pulsa. Há repulsa. Mas a angústia, ninguém expulsa!

É como se uma voz pairasse:

– Die malo! Die malo! Die malo!

Onde está o planejamento? Cadê a preparação?

Não há!

Todo mundo está sujeito a parar à curva do imprevisível. Não há como voltar. E o destino é incognoscível.

O que fazer? Dar de ombros? Dar de si? Sair de si? Sair e ir…?

Felizes são aqueles que, neste emaranhado de indagações, conseguem ouvir um velho cântico trazendo nova esperança…

“É Meu, somente Meu, todo o trabalho… / e o teu trabalho é descansar em Mim”…

Como uma flor que rompe o asfalto, a fé rompe o escárnio da incredulidade. Um aroma de esperança surge no ar.

Sim. Surge.

Sempre surge…

(Jénerson Alves é jornalista e membro da Academia Caruaruense de Literatura de Cordel)

Texto extraído do blog “Falou&Disse”.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: