A felicidade, por Madame du Châtelet

BBC World Service - The Forum, Emilie du Chatelet: a free-spirited physicist
(Madame du Châtelet)

Émilie du Châtelet (1706-1749) era uma cientista, aficionada por matemática e física.

Foi educada num padrão diferente para uma menina da época. Aprendeu latim, grego, alemão, italiano e inglês e, música, dança, teatro, literatura e ciência.

A tradução que fez do Principia Mathematica, de Newton, continua como padrão em francês: um volume de mais de 500 páginas com contestações e checagens próprias e de terceiros às teorias do físico inglês.

Era casada, mas ela e o marido concordavam que levassem vidas pessoais independentes. Ela teve vários amantes, o mais duradouro foi Voltaire.

“Ela era demais para a maioria das pessoas do seu tempo: ambiciosa demais, intelectual demais, emocional demais e liberada sexualmente demais.” (Robyn Arianrhod)

Aliás, ao engravidar pela quarta vez, pressentiu que não resistiria ao parto e acelerou sua última obra, a tradução citada acima. Conseguiu concluí-la pouco antes do parto e morreu seis dias depois.

Ela também era uma pensadora e escreveu “Discurso sobre a felicidade“, aos 40 anos de idade – dois antes de morrer. Destaco alguns trechos:

“… ser feliz é difícil. Contudo, se as reflexões e o plano de conduta pre­cedessem as ações humanas, seria mais fácil sê-lo. Arrastados pelas circunstâncias, aferramo-nos a esperanças que nunca proporcionam senão metade do que esperamos delas (…)

Para ser feliz, é preciso despir-se dos preconceitos, ser vir­tuoso, comportar-se bem, ter impulsos e paixões e ser sus­cetível à ilusão, uma vez que devemos a ela a maior parte de nossos prazeres, e ai daquele que a perde. (…)

O primeiro passo consiste em nos dizer e nos convencer efetivamente de que nada temos a fazer neste mundo senão cultivar sensações e sentimentos agradáveis.

Os moralistas que declaram aos homens ‘se quiserem ser felizes, reprimam suas paixões e controlem seus desejos’ não conhecem o cami­nho da felicidade.

Só somos felizes em decorrência de afetos e paixões saciadas; (digo afetos) porque nem sempre somos felizes o bastante para cultivar paixões, e, na ausência delas, resta nos contentar com os afetos.

Logo, se ousássemos pedir alguma coisa a Deus, paixões é o que deveríamos pedir; aliás, André Le Nôtre tinha toda a razão ao solicitar ao papa tentações em lugar de indulgências.

Porém, alguém dirá, paixões não geram só felicidade, mas também infelicidade.

Não tenho a balança exigida para pesar em valores absolutos o bem e o mal que elas causam aos homens; mas vale ressaltar, contudo, que os infelizes são conhecidos por necessitar dos outros, comprazer-se em contar seus infortúnios e procurar remédios e alívio.

As pessoas feli­zes não procuram nada, assim como não alardeiam sua felici­dade; os infelizes são interessantes, os felizes, desconhecidos. (…)”

O texto integral está no link abaixo:

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: