Quem me entende?

Literatura Russa on Twitter: "MIkhail Bakhtin e seu gato. s/d.… "
(Mikhail Bakhtin, 1895-1975)

Eduardo Loyo disse ver pressão altista sobre os juros internacionais, dado o estímulo fiscal sem precedentes nas economias desenvolvidas.

Em relação ao Brasil, Loyo considerou que, diante do plano de normalização parcial da política monetária, a transparência adotada pelo BC em suas comunicações com o mercado leva investidores a interpretar as mensagens da autarquia como um compromisso.

Porém, ponderou, é natural que o mercado não tenha perfeita noção do que está sendo dito quando o BC muda a sua comunicação.

A transparência, pontuou Loyo, não depende apenas do que o BC diz, mas de como o receptor, no caso o mercado, recebe mensagem.
‘Transparência na comunicação do BC não depende apenas do que o BC diz, mas de como o seu código é compartilhado com receptor’, assinalou Loyo.”

Este texto foi extraído do Broadcast de hoje.

O mercado, como qualquer um de nós, às vezes escuta não o que foi dito, mas o que quer escutar. Ouvir não é escutar; o primeiro diz respeito ao sentido, o segundo, à percepção, o julgamento com base nas informações das sensações.

No meio do caminho há as expectativas e os desejos.

Esse é um dos principais dilemas da comunicação – fazer-se ouvir é fácil; fazer-se entender não depende só do emissor. Às vezes, o texto que vale é o “subentendido”, ou imaginado.

Por isso, a força das versões, das interpretações, das “leituras”: até os deuses devem sua existência à crença dos homens.

Voltamos à semiótica.

“Se concebe o texto no sentido amplo como qualquer conjunto coerente de signos”, dizia Mikhail Bakhtin.

Agora, imagine quando os signos não compõem um conjunto coerente! O BC fala uma coisa e outros agentes “falam” outras, distintas. Que transparência pode haver se o próprio BC precisa traduzir os sinais que vêem da economia real?

Muito depende do simbólico e da narrativa, como lembrava Oliver Sacks: “Uma criança acompanha a Bíblia antes de entender Euclides. Não por ser a Bíblia mais simples (pode-se dizer o inverso), mas por ser vazada num modo simbólico e narrativo.”

Uma narrativa empolga as crianças que carregamos – vejam a “descoberta” das storytellings por aí.

O “texto” é um sistema complexo, com seus suportes biológicos e sociais. Complexo porque acontece no “universo da cultura, transpondo as fronteiras do meramente pragmático da organização social, e criando limites maiores e mais etéreos para a existência, abrindo espaço para o imaginário, para a fantasia, para as lendas e histórias, para a ficção.” (Ivan Bystrina)

Bakhtin ressalta que o enunciado não é um ato discursivo individual; ele é impregnado de “sociabilidade interna” na comunicação.

O papel dos outros, para quem se constrói o enunciado, é excepcionalmente grande. Eles não são ouvintes passivos, mas participantes ativos da comunicação discursiva, queira ou não o emissor. “É como se todo o enunciado se construísse ao encontro da ativa compreensão responsiva”.

Num pronunciamento “oficial”, a resposta vem na forma de reações e análises dos especialistas.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: