O poeta e o vendedor de melancias

Abu Tayeb Al-Mutanabbi (Page 1) - Line.17QQ.com
(Abu Tayeb Al-Mutanabbi, 915-965)

(Tradução do árabe por Mamede Mustafa Jarouche)

“Disseram ao poeta Al-Mutanabbi:

– As notícias sobre a sua avareza se espalharam por todo canto, tornando-se motivo de conversas noturnas entre muitos camaradas.

Em suas poesias, porém, você louva a generosidade e seus praticantes, e censura a prática da avareza.

Não foi você que disse em um de seus versos: “Há quem gaste seu tempo reunindo dinheiro, por medo à pobreza; essa atitude é que é pobre”?

Todos sabem que a avareza é horrível, mas vinda de você é ainda pior, pois você afeta orgulho e graves desígnios, e busca ser rei. E a avareza é a negação disso tudo.

Al-Mutanabbi respondeu:

– Minha avareza tem um motivo.

Quando jovem, mudei-me de Kufa para Bagdá e aqui cheguei com cinco moedas de prata enrolados em um lenço.

Pus-me a caminhar pelas ruas da cidade e passei por uma frutaria na qual vi cinco melancias fresquinhas.

Gostei muito delas e, querendo comprá-las com minhas moedas, dirigi-me ao fruteiro perguntando: “Por quanto você está vendendo estas cinco melancias?”

Ele respondeu com indiferença: “Vá embora, isto não é para você comer”.

Avancei para ele e insisti: “Fulano, deixe de me irritar e diga o preço!”

Ele respondeu: “Dez moedas de prata”.

Fiquei tão chocado que não consegui pechinchar.

Parei perplexo e lhe ofereci as cinco moedas, mas ele não aceitou.

Então, passou um velho mercador que fechara a loja e agora ia para casa.

O fruteiro correu até o homem, rogou a Deus por ele e disse: “Meu amo, tenho aqui melancias frescas. O senhor me autoriza a carregá-las para a sua casa?”

O velho respondeu: “Ai de ti! Quanto custam?”

Respondeu: “Cinco moedas de prata”.

O velho retrucou: “Pago duas moedas”, e por duas moedas de prata o fruteiro vendeu as cinco melancias ao mercador, carregou-as até a sua casa, rogou a Deus por ele e, tendo feito aquilo, retornou feliz para a frutaria.

Perguntei-lhe: “Fulano, nunca vi nada mais espantoso do que a sua estupidez. Você exigiu de mim um valor bem alto pelas melancias, mas depois fez o que fez!

Eu havia lhe oferecido cinco moedas pelas melancias, e você as vendeu por duas, e as carregou até a casa do homem!”

Ele respondeu: “Cale-se! Esse homem possui cem mil moedas de ouro!”

Aprendi então que os homens não dignificam senão quem eles suponham ter cem mil moedas de ouro.

E eu permanecerei da maneira que você está vendo até ouvir as pessoas dizerem que Al-Mutanabbi possui cem mil moedas de ouro.”

Triste Al-Mutanabbi, guiar-se pelos referenciais dos outros.

Triste fruteiro, valorizar o que não tem, ao invés de suas melancias.

Triste quem valoriza os bens acumulados ao invés do saber viver.

A subserviência aos ricos e à riqueza é um atoleiro moral – antes que um estímulo. A riqueza material é ilusão e causa da maioria dos problemas da humanidade – porque lhe valorizam.

É só uma opinião. Sem valor.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em “O poeta e o vendedor de melancias

  1. Muito interessante. Consegui extrair do lindo texto que infelizmente o homem e visto, respeitado ppor quanto dinheiro possui. E isso petdira ate os nossos dias. Na verdade no caso desse homem nao foi a avareza como pense acreditar no principio. Mas sim a nessecidade que o mundo nos impõe. Vc vale quanto vc tem. Bela lição.

    Curtir

Deixe uma resposta para Obede Dias Freire Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: