Judas merece uma chance?

pinturas famosas | Arte renascentista italiana, Arte do renascimento, Arte  medieval
(O Beijo de Judas, de Giotto, 1306) 

“Sentido da minha obra:

Tantos homens privados da graça?

Como viver sem a graça?

Devemos nos dedicar a isso

E fazer o que o cristianismo nunca fez:

ocupar-nos dos malditos.” (Albert Camus)

Hoje, sábado de Aleluia, há a tradição da Malhação de Judas, trazida pelos portugueses. Costuma-se colocar máscaras ou nomes de políticos num boneco e o queimar.

A ideia é que Judas Iscariotes traiu Jesus e, portanto, merece o repúdio dos cristãos. E atualmente, quantos se dizem porta-vozes dos Seus preceitos e O traem descaradamente?

Por que, afinal, um discípulo e companheiro do Cristo iria denunciá-lo aos inimigos entregando-o a uma morte certa, em troca de trinta moedas de prata?

Tudo indica que a traição foi ideia do próprio Jesus. Judas teria sido persuadido a representar o papel do “mal” na humanidade. Este papel seria crucial para a realização do plano de Deus e, Jesus o colocaria a seu lado por toda a eternidade.

A família de Judas era odiada. Ela era íntima de Herodes, o rei sanguinário que acabara de morrer e que era cúmplice do invasor romano. Diziam: “Herodes subiu ao trono como uma raposa, governou como um tigre e morreu como um cão.”

Mas, não fora Herodes quem reconstruiu o Templo de Salomão? Sim, mas ele pensava estar exaltando sua própria glória e não a de Deus, como acontece nos dias atuais.

Herodes assassinou seus rivais políticos e seus dois filhos mais velhos, além de trezentos dos seus partidários. Um terceiro filho escapou porque o pai morreu antes. Ele também mandou assassinar crianças inocentes para evitar que o Messias surgisse.

Isso intrigava Judas: o Messias nascido naquele momento teria a consciência pesada por ter sido a causa das mortes dessas crianças?

Dizem que Judas foi concebido numa noite de orgia e que seu “pai”, Rubens Simão, não tinha certeza da paternidade. Aliás, Judas era muito feio e não se parecia com seus pais.

Por sua feiura, foi-lhe proibido frequentar a sociedade ou os amigos da família. Tornou-se um estranho entre os seus.

Lia muito o livro de e talvez o visse como a um irmão: “Pereça o dia em que me viu nascer,/ a noite que disse: ‘Um menino foi concebido!’/ Esse dia, que se torne trevas,/ que Deus do alto não se ocupe dele,/ que sobre ele não brilhe a luz!” (Jó, 3 3-4)

É uma apologia ao aborto, mas Judas entendia.

Há um fragmento apócrifo sobre Judas, dos séculos V a VII, intitulado “A história da mulher de Judas” que fala que sua mulher seria uma pessoa de má índole. Segundo o texto, teria sido ela quem sugeriu a Judas entregar Jesus aos judeus em troca de dinheiro. Quando ele chegava em casa sem dinheiro, ela zombava dele.

Esta visão reforça convenientemente o papel de Judas como traidor e da mulher como má influência para o homem. O papel da mulher deveria ser subalterna – a mesma ideia sobre Eva!

Já o Evangelho de Judas, supostamente escrito por seu filho, Benjamim Iscariotes, conhecido desde 150 d.C., insinua que Judas, ao trair Jesus teria aceitado um pedido Dele, para cumprir o Seu papel, o de revelar o conhecimento que salva. Ele, ao contrário do que falam os evangelhos canônicos, teria sacrificado sua honra por Cristo.

“Você tornar-se-á o décimo terceiro, será amaldiçoado por gerações, mas reinará sobre eles”, teria respondido Jesus à visão que Judas tivera: “Eu vi a mim mesmo, enquanto os onze discípulos me apedrejavam e me perseguiam.”

Este seria o prêmio por Judas cumprir o papel de libertar Cristo do corpo de Jesus: “Você, Judas Iscariotes, deve sacrificar o homem que me reveste”, teria sido o pedido.

Judas teria que cumprir a missão sublime de libertá-lo, de modo que a centelha divina presente em Jesus pudesse brilhar e, assim, Ele voltar ao ‘pleroma‘ (plenitude, realidade superior).

Nesse evangelho, Jesus, no seu ministério na Terra, “frequentemente não aparecia para os seus discípulos como Ele mesmo, mas era encontrado entre eles como uma criança.”

“Como uma criança” significaria “estar aberto e puro para receber o conhecimento que conduz à salvação”. Contraria, em parte, os Canônicos, nos quais Jesus jamais aparece rindo, como se o divino não pudesse ter sentimentos humanos.

“… ao entrar no mundo, Cristo afirma: “Tu não quiseste vítima nem oferenda, mas formaste-me um corpo. 

Não foram do teu agrado holocaustos nem sacrifícios pelo pecado. 

Por isso eu disse: Eis que eu venho. No livro está escrito a meu respeito: Eu vim, ó Deus, para fazer a tua vontade. 

(Hebreus, 10 5-7)

Essa negação dos sacrifícios repete Salmos 40, 7-9.

Isto também intrigava Judas: se Deus não aceita os holocaustos, por que deveria sacrificar o corpo de Cristo para fazer sua vontade? Por que um messias deveria morrer para o povo que ele justamente deveria libertar da escravidão e da morte?

Judas não dava muita importância à sua vida; buscava uma causa que lhe permitisse entregá-la, uma oportunidade onde ele pudesse se esvaziar do seu sangue ruim e se revestir de um corpo de luz.

Há muito a se levantar, principalmente o papel de Judas entre os zelotes. Mas, não vou cansá-los.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em “Judas merece uma chance?

  1. Desde a queda do homem sentido “ser humano” no Jardim do Edem, Deus se compadeceu da situação do ser humano e fez algumas recomendações que trabalharias com o suor do rosto e a mulher teria dores de parto. A expiação do pecado era um ritual penoso. A Imagem e semelhança de Deus estava maculada . Deus se compadeceu da sua imagem e semelhança e atrabes do Profeta Isaias muitos anos antes do nascimento de Jesus , Deus disse que mandaria seu filho “para esmagar a cabeça da serpente” simbolismo porque a serpente nada mais é que Satanás. Com o nascimento de Jesus era necessario que se cumprisse a profecia . E com 33 anos de idade sofreu a morte de cruz. Quanto a traição por Judas Escariotes disse Jesus. É necessario que alguém me traia. Mas ai daquele que o fizer. Judas traiu Jesus com um beijo para demonstrar seus algozes quem era Jesus. Recebeu. 30 moedas de ouro, mas esse fato seria perdoabel. O mais grave que relata os evangelhos que ele jogou as moedas fora e fora comprado um terreno que se chamou “campo de sangue”. Mas o mais e que saindo dali Judas se suicidou. O maior pecado não foi a traição e sim o suicídio. Quanto a malhação de judas e invencionismo popular.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: