O terror não se controla

“Se a história passada fosse tudo o que importa no jogo, as pessoas mais ricas seriam os bibliotecários” ironiza Warren Buffett.

Ele está certo. O passado só nos é útil se usado como prisma do presente. A história não é um fóssil. Ela é radioativa – emite sinais que podem ser captados. Aliás, os fósseis também.

Já contei aqui a história de Olympe de Gouges. Trago agora um pouco da história de Madame Roland, uma pessoa que confiava no racionalismo e na ideia de república, em meio a obcecados e fanáticos.

Muitos personagens “maiores que a vida” foram desenvolvidos pela Revolução Francesa. Entre eles, poucos são mais ilustres, ou mais dignos de nota, do que Madame Roland.

A história de sua vida contém muito para inspirar admiração à mente e motivar alguém a viver uma vida digna. Ninguém pode ler sobre seus atos heroicos sem uma apreciação maior do poder da mulher.

Em 8 de novembro de 1793, Madame Roland foi conduzida ao cadafalso.

Ela era uma mulher saudável de classe média de quase 30 anos, e projetava uma figura agradável e digna, em vez de dramática, na carroça que a levou pelas ruas de Paris.

A multidão acenou para ela e enviou-lhe encorajamento – ela era muito amada.

Como muitos de seus amigos e inimigos, Madame Roland teve sua vida terminada pela lâmina rápida e eficiente da guilhotina.

Quatro anos depois da queda da Bastilha, mesmo os atores mais entusiastas da Revolução tornaram-se inimigos do triunvirato governante: Maximilien Robespierre, Georges Danton e Jean-Paul Marat, alucinados, acreditavam-se imbuídos de um propósito moral.

E a guilhotina, inventada com a intenção de tornar o castigo mais humano, dominou o período conhecido como Terror.

Ela pertencia ao grupo conhecido como Girondinos, moderados, os primeiros defensores do republicanismo que, após uma série de desentendimentos com Robespierre, se tornaram o inimigo da nação.

Seu líder, Jacques-Pierre Brissot, havia sido executado oito dias antes, junto com 21 de seus companheiros girondinos. E cinco dias antes da execução de Roland, Olympe de Gouges, outra girondina, que havia sido franca em suas discordâncias com Robespierre.

Marie-Jeanne “Manon” Philipon, mais conhecida como Madame Roland, nasceu em 1754.

Única filha viva de um mestre gravador, ela nasceu na era da razão e da inteligência, a França dos “philosophes“.

Aprendeu a ler desde cedo, e sua curiosidade intelectual era insaciável. Consumia livros de história, filosofia, poesia, matemática e religião.

Plutarco causou uma impressão indelével sobre ela quando ela tinha apenas nove anos de idade. Ela diria mais tarde que Plutarco a tornou uma crente firme na forma republicana de governo.

Na adolescência, Manon descobriu Voltaire, que se tornou um de seus autores favoritos.

Rejeitando os jovens pretendentes sugeridos por seu pai, ela preferia a companhia daqueles homens mais velhos com quem pudesse desfrutar de companhia intelectual.

Foi nessa época que ela leu Rousseau pela primeira vez.

Ela escreveria para uma amiga: “Estou surpresa que você se pergunte sobre meu amor por Rousseau. Eu o considero amigo da humanidade, seu benfeitor e meu. Quem retrata a virtude de maneira mais nobre e comovente? Quem o torna mais digno de amor? Suas obras inspiram o gosto pela verdade, simplicidade e sabedoria.”

Em 1791 a violência da Revolução Francesa começou a aumentar. Três partidos principais competiam pela liderança: os monarquistas, leais ao rei, os jacobinos, que eram os insurgentes contundentes e inflexíveis; e, entre esses dois extremos, aqueles que queriam uma República Constitucional, os girondinos.

Chegam a Paris Monsieur Roland de la Platiere e sua encantadora esposa, Madame Marie-Jeanne Roland.

A deslumbrante ascensão à fama dos Roland em Paris foi uma das muitas curiosidades da Revolução Francesa.

Não demorou muito para que Roland de la Platiere, cativado pelas ideias de liberdade e igualdade, se tornasse ministro no novo governo francês, onde os moderados da época detinham o poder.

Com o passar do tempo, porém, os radicais ganharam vantagem.

Madame Roland tinha a habilidade de tecer redes sociais que aumentaram a popularidade crescente dos Roland. Previsivelmente, sua atividade a colocou no centro das ambições políticas, onde conquistou os mais brilhantes homens do progresso.

O partido dominante na Assembleia Legislativa tornou-se os Girondinos. Os Roland eram deste partido.

Seu objetivo era uma reforma lenta, mas constante, uma estratégia que levou à separação dos agressivos e violentos jacobinos.

Mas, a anarquia e turbulência reinaram em Paris no verão de 1792.

Uma gangue tomou o palácio do rei Luís XVI e o fez prisioneiro. Em setembro, os fanáticos iniciaram um massacre irracional de prisioneiros políticos.

Em apenas quatro dias, quase 1.500 pessoas foram massacradas.

Os Roland ficaram chocados com os banhos de sangue.

No entanto, até mesmo mostrar antipatia pelos massacres era o suficiente para marcar alguém como candidato à desconfiança.

Quase imediatamente, o ministro e sua esposa foram condenados como “inimigos do povo”.

Madame Roland foi chamada à Assembleia Nacional sob a acusação de traição.

Ela se defendeu de forma tão convincente que foi absolvida.

Depois que os girondinos começaram a perder o poder, a paisagem tornou-se cada vez mais sangrenta.

Quando o rei foi executado, Monsieur Roland renunciou com repugnância ao cargo.

As condições pioraram à medida que o infame “Reinado do Terror” se acelerou.

Madame Roland olhou para as cenas horríveis diante dela e pensou em voltar para Lyon com sua filha, Marie-Thérèse Eudora.

Antes que ela pudesse realizar seus planos, foi emitida uma ordem para a prisão de seu marido. Enquanto ela fazia uma petição malsucedida em seu nome, M. Roland teve a oportunidade de escapar da França.

Infelizmente, apenas alguns dias depois, foi apreendida e jogada na prisão.

Apesar da loucura dos terroristas no controle, foi misteriosamente libertada da prisão em poucas semanas.

Quase não teve tempo de suspirar de alívio quando foi presa novamente, no mesmo dia. Nenhuma razão foi dada. Ela suportou cinco meses em péssimas condições de prisão.

“Nunca tive a menor tentação de me tornar um autor; muito cedo, vi que qualquer mulher que ganhasse esse título perdia muito mais do que ganhava.

Os homens não gostam dela, e seu próprio sexo a critica: se suas obras são ruins, ela é ridicularizada, e com razão.

Se eles são bons, são tirados dela.

Se alguém for forçado a reconhecer que ela produziu a melhor parte disso, seu caráter, sua moral, seu comportamento e seus talentos são dissecados na medida em que a reputação de seu humor pode ser equilibrada com o peso dado a suas fraquezas.” (Madame Roland)

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: