A política é como espumas

O que causa a espuma dos oceanos? - iGUi Ecologia

Ao escolher o nome para meu blog pensei nalgo que representasse meu querido país. Escolhi “Balaio Caótico“. Acho que não errei.

Há algum tempo, ao acordar me perguntava: “Quem foi preso hoje?”

Logo, a pergunta era: “Quem foi solto hoje?”

Estou lendo o calhamaço “Ética”, de Fábio Konder Comparato, 716 páginas. Pretendia escrever sobre esse tema aqui. Não sei se vale a pena.

Melhor falar sobre o livro de Nelson Motta, “De Cu pra Lua”. É o que precisamos para sobrevivermos.

Aprendi, ontem, que nosso Judiciário precisa de um intensivão de Geografia. Não é uma matéria de “Humanas”?

O futuro não é uma linha reta. Mas, espera-se que as sinuosidades e recuos sejam motivadores de avanços. Impasses, entretanto, normalmente não conduzem a futuros esperançosos.

Vejam só: termos que escolher entre duas propostas negativas (o antipetismo e o antibolsonarismo) não abre portas para melhores perspectivas. É o que temos, por merecimento.

Está difícil ser um “pessimista esperançoso”, como me defino.

As distopias são vendidas, cada vez mais, como utopias, e são avidamente consumidas por desesperados (os de boa-fé) ou oportunistas (os defensores do “primeiro o meu”).

É o sucesso das “utopias virtuais”, como acentua Franco Berardi: “aquelas que produzem efeitos reais consistentes, para depois revelarem-se portas de acesso às distopias definitivas, as distopias da morte do humano ou, mais que isso, as distopias da submissão do humano a cadeias de automatismos técnicos.”

Estas cadeias já produzem seus efeitos como fundamentalismos religiosos, xenofobias, populismos e protofascismos.

Atribuem a Magalhães Pinto a definição de que “A política é como uma nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”.

Esta é a política à qual nos acostumamos. Não há um núcleo duro, institucional, que mantenha uma certa continuidade em direção às aspirações nacionais.

Atualmente, a política está mais para “espumas“, que, independentemente das correntes e ventos que formam as ondas, surgem como assuntos midiáticos. Esquecem que as espumas são o esgotamento das ideias.

Outra boa metáfora para a nossa política pode ser “brumas“.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: