Metáforas

TIRAS Memory: Ubaldo, o paranoico - Isto É - 1977

“As metáforas são importantes.

Longe de serem meros floreios ornamentais que tornam nossa fala mais vívida, elas criam pontes conceituais importantes entre campos.

Estimulam nossa imaginação e ativam nossas faculdades de criação de significado, permitindo-nos ver as coisas de uma nova perspectiva.

Talvez o mais importante, as metáforas pelas quais vivemos moldam nossa experiência.” (Anna Katharina Schaffner)

Nosso linguajar é recheado de expressões específicas de nossa formação profissional, regiões, cultura, educação familiar ou religiosa.

Por trás, há moldes psicológicos, molduras metafóricas, que nos induzem a pensar e como agir sobre o contexto.

Na antiguidade, as tecnologias suportadas por água – bombas e fontes, por exemplo – possivelmente levaram os gregos e romanos às noções de ‘pneuma‘ e ‘humores corporais’.

Quando o corpo humano passou a ser imaginado como um ‘relógio’ – a partir do Renascimento -, nosso corpo era considerado uma operação ‘mecânica’.

Com a Revolução Industrial e o advento das máquinas a vapor e energias hidráulicas, passamos a falar em equilíbrio interno, homeostase.

Atualmente, ainda somos influenciados pela noção de que nossa mente é um ‘computador’, que processa informações e gera atitudes, a partir de alguns ‘algoritmos’ internos – herdados ou socialmente programados.

Toda e qualquer visão de como somos – metaforicamente – pode nos limitar, ao nos levar à reprodução de comportamentos comuns, genéricos.

Não somos máquinas.

Somos organismos biopsicossociais, inculturados, desenvolvendo-se em feedback constante com o que nos cerca.

Inculturado, lembrando, é o que está imerso numa cultura.

Metáforas extraídas do ambiente de negócios fazem referência a nosso ‘capital social’ e assemelhados. A busca pelo autoaperfeiçoamento apresenta-se como um ‘investimento sustentável’, com credenciais ESG.

Na minha opinião, não nascemos para sermos ‘eficazes’ conforme figurinos mercadológicos. Podemos – não devemos – até sermos eficazes naquilo que nos é prazeroso. O resto é máquina de fazer paranoicos ou desiludidos.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: