Nada que um sorriso não conquiste!

Sorriso Falso e Sorriso Verdadeiro (Duchenne Smile) |
(Como distinguir um sorriso verdadeiro?)

sorriso de Duchenne, ou sorriso genuíno, é aquele que envolve a contração do músculo zigomático principal, que eleva os cantos da boca, e do músculo orbicular do olho, que aumenta as bochechas e forma os pés de galinha ao redor dos olhos. Ele é simétrico e involuntário.

Esse nome dado ao sorriso verdadeiro é uma homenagem ao neurologista Guillaume Benjamin Amand Duchenne (1806-1875), que estudou as expressões faciais da emoção.

Mas há o “sorriso falso”, o “sorriso amarelo”, forçado, quando as pessoas tentam imitar o “sorriso de Duchenne”, sem necessariamente estarem felizes.

As selfies são usuais para a prática dos sorrisos fakes.

“Uma pesquisa mostra que as pessoas tendem a classificar uma pessoa sorridente como mais honesta e simpática e alguém com quem desejam cooperar. Quando alguém diz que vai cooperar, é mais provável que as pessoas acreditem nele se isso for dito com um sorriso. Em outras palavras, os sorrisos parecem ser um sinal que diz: ‘Confie em mim’.” (Alexander Danvers)

Qual o político que não sabe disso? Mas há, também, os que por esperteza, para agradar ou por embaraço, recorrem a essa ginástica facial.

Todos sabemos disso: sorrir é fácil. Entretanto, continuamos confiando nos sorrisos, mesmo quando praticados por pessoas inescrupulosas que querem apenas parecer confiáveis.

Segundo Alexander Danvers, a teoria da sinalização, no campo da biologia evolutiva, afirma que um sinal de comunicação entre os animais parecerá “honesto” – ou seja, pode ser confiável – se for difícil para o animal enviá-lo.

Alexander Danvers é um psicólogo social que usa sistemas dinâmicos e aprendizado de máquina para entender as interações sociais e emoções.

Alex Pentland, cientista da computação, argumenta que a interação social envolve muito esforço. Para obter uma interação tranquila, você precisa prestar atenção e responder adequadamente a muitas fontes diferentes de informações da outra pessoa: suas palavras, seu tom, sua linguagem corporal.

Então, quando as pessoas prestam muita atenção em nós, confiamos que elas são genuínas – porque sabemos que é um trabalho árduo.

Eu, por exemplo, evito “festas” ou eventos de networking – há uma certa expectativa de “bem estar”, que nem sempre carrego comigo. Esses encontros demandam ‘sorrisos engajados’, às vezes meramente cordiais. Prefiro mostrar interesse, na conversa, na pessoa e, o sorriso só quando espontâneo.

Essa minha postura não contraria o resultado de pesquisas feitas por Danvers: quando, numa interação, alguém sorria para um estranho de forma mais reativa e apropriada, eles cooperavam mais. Sorrir de forma consistente, sem prestar atenção ao contexto, embora seja melhor do que não sorrir, não fomentava tanta confiança.

Sorrir é geralmente um sinal honesto da intenção e do caráter de alguém, desde que surja de forma convincente, o que significa estar-se realmente envolvido e atento.

E o sorriso da Mona Lisa, é sincero ou não?

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em “Nada que um sorriso não conquiste!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: