Deu no que deu …

Auguste Comte
(Auguste Comte)

O Positivismo exerceu uma enorme influência neste país. Todos já desconfiam disso, a partir da divisa “Ordem e Progresso” na nossa bandeira. Este lema não foi colocado lá à toa.

A filosofia positiva de Auguste Comte (1798-1857) diz que as ‘leis’ regem tudo. Tirem o foco das ‘causas’ dos fenômenos (Deus ou natureza); isso tanto para fenômenos naturais como sociais. A ciência seria a solução.

Sim, o Positivismo acreditava que somente por meio da razão poderíamos entender e interpretar a realidade. Importava, então, conhecer as leis da natureza para sabermos como se regem as leis da vida dos homens, do mundo e de todo o universo.

Dessa forma, as explicações teológicas, filosóficas e de senso comum seriam abandonadas. Mais: enquanto o mundo físico estava ligado aos eventos exteriores ao homem, o mundo social era intrínseco às questões humanas.

Apesar disso, acreditava que o mundo físico e o mundo social tinham uma origem comum, e por essa razão, era possível uma aproximação entre ambos.

Hoje sabemos, embora nem todos concordem, que a separação entre ação humana e natureza – a crença de que somos entidades à parte – é infundada e destrutiva. Ainda, que matéria e espírito possam não ser distintos – o último seria a emanação daquele.

Comte fundava uma nova área do saber. De início a chamava de ‘física social’; depois, ‘sociologia’. Por trás, a ideia de que a sociedade seria um organismo formado por partes harmônicas, coerentes, e que funcionaria como os modelos mecânicos e físicos. Não é assim.

De qualquer forma, o Positivismo ajudou na implantação da República, na separação entre Igreja e Estado brasileiro e na abolição da escravatura.

Ironicamente, a República simbolizava a luta da ciência contra o domínio da religião e outras crenças, que hoje voltaram como ‘negacionismos’ e fundamentalismos.

O que diria, hoje, o Coronel Benjamim Constant, conhecido como o ‘fundador’ da República, ferrenho discípulo de Comte? Aliás, ele defendia a ideia de Soldado-Cidadão e o fim das forças armadas.

O princípio do Positivismo era: ‘Amor’ por princípio e a ‘Ordem’ por base; o ‘Progresso’ por fim. O Amor foi excluído. Isso explica alguma coisa.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: