Numa equipe, talentos individuais importam mais?

Faculty
(Satyam Mukherjee)

Quanto depende do talento individual e quanto da capacidade de trabalho em conjunto dos membros da equipe? Nos esportes, nos negócios e em centros de pesquisa científica: o que é preciso para se criar uma equipe de sucesso?

“As pessoas se surpreendem quando o time dos sonhos perde”, diz Brian Uzzi. Às vezes, ao se deparar com um rival sem estrelas no time, a equipe de elite perde. Já vimos esse filme.

“Nós sabemos, que como indivíduos eles têm um bom desempenho. Está tudo aqui no papel. Ele sacudiu os documentos em sua mesa. – Mas que tal juntos?” (Philip K. Dick)

O interesse pelo comportamento coletivo não é novo.

Por ‘segurança’, os recrutadores vão atrás dos melhores. É o que se espera deles. Mas, uma seleção de estrelas não garante resultados. A soma das partes nem sempre é maior. O foco deveria ser a ‘construção de times’, equipes que crescem enquanto ‘jogam’.

“É preciso ter o talento como base. Mas o talento não engloba todo o seu potencial, a menos que se trabalhe em equipe. Quase tudo o que os seres humanos fazem hoje, em termos de geração de valor, não é mais feito individualmente, mas sim, por equipes. Quando as pessoas compartilham uma experiência positiva, há uma grande probabilidade de que conversem e se lembrem de detalhes vívidos, o que se torna a base para o aprendizado. Acontece o oposto quando se perde”, diz Uzzi.

O problema é saber quais são os outros fatores que contribuem para esse engrandecimento, além dos talentos. Um deles é um histórico – construído – de vitórias compartilhadas. Sinergia (como eles se coordenam no espaço ou “enxame”) e complementaridade são outros. O fato é que não somos bons em capturar as nuances da dinâmica coletiva.

Para Satyam Mukherjee, o histórico de sucessos compartilhados pode gerar prognósticos de desempenho melhor do que aquele esperado a partir da composição e talentos do grupo.

Dados das ciências sociais sobre a tomada de decisão individual, com a ajuda da ciência da Complexidade, têm melhorado a compreensão do desempenho de grupos: como uma equipe sincroniza, quando as contribuições são sinérgicas em oposição a aditivas, e se é a habilidade dos jogadores ou as estratégias que eles usam que são mais importantes.

Sam Walker argumenta que a chave para o desempenho da equipe é a liderança, definida não pelo carisma, mas pela capacidade de resolver conflitos e melhorar o moral nos bastidores .

Ruth Benedict propôs a cultura como um fator no desempenho humano. Alguns ambientes promovem a criatividade e a exploração e, assim, facilitam descobertas positivas relacionadas ao acaso.

Por falar em acaso, o desempenho não é garantido, mesmo com os indivíduos mais talentosos, um ambiente cultural construtivo e uma organização rica em recursos, com “todos os detalhes cobertos”. A sorte desempenha um papel no desempenho, embora sua importância varie entre os domínios, afirma Michael Mauboussin.

Mas, sorte e acaso são sinônimos?

“Sorte não é acaso

É labuta

Sorriso caro da fortuna

É merecido

O pai da mina

É aquela moeda antiquada

Nós rejeitamos” (Emily Dickinson)

(Fontes: Jessica Flack (Santa Fe Institute), Cade Massey (Wharton) e Kellogg Insight, da Kellogg School of Management)

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: