“A dor é um século, a morte um momento” (Gresset)

O delegado Joaquim Firmino de Araújo Cunha
(Joaquim Firmino de Araújo Cunha)

Falemos um pouco sobre escravidão, essa coisa “benéfica para os descendentes”, na opinião de quem ocupa a Fundação Palmares, criada para “promover a preservação dos valores culturais, sociais e econômicos decorrentes da influência negra na formação da sociedade brasileira”.

Escravidão é história a ser apagada, como convém ao negaciosismo vigente.

Foram 338 anos de sofrimentos, humilhações e mortes abruptas, pelo açoite ou por doenças fulminantes. Toda morte era uma “perda econômica” para o “proprietário” mas, acontecia, com dor no coração.

José do Patrocínio dizia que, no Brasil, o verdadeiro Século das Luzes foi o XIX, “que viu secar a chaga da escravidão.”

Foram cerca de 5 milhões de africanos traficados para o Brasil, sendo que mais de 600 mil morreram no caminho.

O assunto é ‘incômodo’ para os que imaginam viver numa ‘democracia racial‘.

Para esses, não há racismo no país e, a baixa mobilidade social dos negros e pardos não se deve à discriminação racial; esta seria irrelevante em relação a recortes como gênero e classe.

Há muitos episódios ‘esquecidos’ a respeito da luta dos abolicionistas:

  • Maria Tomásia Figueira Lima, a aristocrata que lutou para adiantar a abolição no Ceará (que foi pioneiro; em 25 de março de 1884 foi realizado o ato oficial de libertação dos escravos no Estado);
  • Luís Gama, o ex-escravo que se tornou advogado e ferrenho abolicionista;
  • André Rebouças, o engenheiro que queria dar terras aos libertos;
  • Adelina (sobrenome desconhecido), a charuteira que atuava como ‘espiã’; filha bastarda e escrava do próprio pai, escondia escravos e promovia sua fuga, conseguindo informações sobre ações policiais e estratégias dos escravistas.
  • Dragão do Mar, o jangadeiro que se recusou a transportar escravos para os navios;
  • Maria Firmina dos Reis, maranhense; a primeira escritora abolicionista.

Falemos sobre um que pagou com sua vida o empenho pela causa dos escravos.

Joaquim Firmino de Araújo Cunha, um delegado de polícia abolicionista, na pequena Itapira, a cerca de 170 km de São Paulo.

Na madrugada de 11 de fevereiro de 1888, foi encurralado por cerca de 200 pessoas e morto violentamente dentro de casa, onde estavam também a mulher, Valeriana, e os filhos. Ele foi espancado até à morte no quintal.

Os mandantes do crime: um inglês e um americano que haviam se mudado para o Brasil depois de lutarem na Guerra de Secessão dos Estados Unidos do lado dos confederados, que eram contrários ao fim da escravidão no país.

“Naquele tempo, o cargo de delegado era indicado. Geralmente era alguém que cumpria ordens (das elites locais), um pau mandado — coisa que ele não foi”. (Eric Apolinário)

Ele se recusava a prender “escravos fugidos”. Chegou a acobertar fugas, muitas delas com destino ao quilombo Jabaquara, em Santos, e a esconder “fugitivos” em sua própria casa. Isso desagradava os “barões do café”.

Todos os réus foram absolvidos.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: