Os Muckers

Adão Bernardes: JACOBINA MAURER "MÁRTIR" DE SAPIRANGA.
(João Jorge Maurer e Jacobina Mentz)

A chamada Revolta dos Mucker foi um conflito de cunho religioso e social, entre 1869 e 1874, em São Leopoldo (atual Sapiranga), no Rio Grande do Sul. Seus líderes foram Jacobina Mentz Maurer e seu marido, João Maurer. 

Essa história começa com a imigração alemã para o Brasil, estimulada por d. Leopoldina. Os alemães basearam-se em São Leopoldo. Pobres, sem o apoio prometido, levavam uma vida dura, amparada na fé (católica ou luterana, principalmente).

Jacobina Mentz, desde criança entrava em momentos de transe e conseguia diagnosticar doenças, apresentava-se como a própria encarnação de Cristo. Era sonâmbula e epiléptica.

João Maurer era, além de agricultor e carpinteiro, um curandeiro a quem os colonos confiavam sua saúde.

Casaram-se em 1866. Anos depois ela trocou o marido pelo jovem Rodolfo Sehn e, a mulher deste passou a viver com o Maurer.

O casal e seus seguidores passaram a ser acusados de separatismo por se afastarem da igreja e da comunidade, professando uma variação mais ortodoxa da fé cristã, com cores de fanatismo. Socialmente defendiam ideias ‘estranhas’, como a posse comum da terra e dos rebanhos; uma espécie de comuna primitiva.

A expressão mucker, do alemão, significa ‘falso religioso’, ‘santarrão’, ou ‘falso beato’, e era assim que os seguidores de Jacobina eram vistos pela comunidade protestante germânica da região.

Essa insatisfação logo se transformou em repressão: em 1873, João Maurer ficou preso por 45 dias e proibiram reuniões em sua casa. Depois, 32 frequentadores da casa dos Maurer foram presos sem acusação formal. Em resposta, um atentado ao inspetor encarregado de fiscalizar a proibição de reuniões e, um ex-seguidor (suposto traidor) teve sua casa incendiada, morrendo seus filhos e sua mulher. Como represália, várias casas de seguidores foram incendiadas.

Em junho de 1874, tentaram prender a família Maurer. Houve reação: 4 mortos e 30 feridos. No mês seguinte, uma força militar acrescida de 150 colonos alemães voluntários, atacou novamente e incendiou a casa do casal Maurer. Morreram 12 homens e 8 mulheres Muckers. O casal fugiu.

No dia seguinte, o acampamento das tropas governistas é atacado. O coronel Genuíno Olímpio Sampaio, responsável pela repressão é atingido e morre.

No outro dia, um novo ataque ao reduto dos Muckers: 5 mortos e 6 feridos do Exército.

Em agosto, houve o último ataque aos Muckers: morreram 17 deles, entre eles Jacobina Maurer. João Maurer sumiu.

De fato, não acabou ali. Em 1897, alguns remanescentes do movimento voltaram a atacar velhos adversários, degolando-os ou matando-os a tiros. A polícia ignorou. Cerca de duzentos colonos se reuniram e mataram cinco fanáticos em janeiro de 1898.

Esse assunto é, ainda, evitado entre os descendentes.

Anos depois, Canudos iria repetir, de certa forma, o movimento, com números muito superiores.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: