O plano do governo

Nature's Heartbeat : Gross Primary Production (GPP) of the biosphere on  land throughout the year [GIF] : MapPorn
(Produtividade Primária Bruta)

Este é o mapa da Produtividade no qual o sujeito produtor é a natureza. A natureza, aqui não é passiva, a produção econômica funcionaria a partir dela. Ressalta-se a noção de produção natural com a geração de riqueza econômica. Vejam o tamanho do Brasil!

Estamos falando da bioeconomia, ou economia verde, que não opõe ‘natureza’ a ‘desenvolvimento’.

É disso que trata o novo livro de Jorge Caldeira, em parceria com Julia Marisa Sekula e Luana Schabib: “Brasil – Paraíso Restaurável”.

O ‘conhecimento’ tem nos afastado, ao longo de milênios, do relacionamento original com a natureza; ela foi apartada, é vista como o alvo a ser domado, a servir à humanidade.

Avicena, por volta do ano 1000 falava do “sensus naturae“, que extrapolava os limites do conhecimento racional. Guilherme de Auvergne, bispo na década de 1220, assumia o sensus naturae e anima mundi, como ideias da alma do mundo que percorre todas as coisas.

Essa ideia, partilhada por filosofias orientais e muitos povos nativos por aqui, que via a natureza como mãe dadivosa e escritura sagrada que mostrava por exemplos, foi perdida.

O mundo, independentemente de governos, tem reagido – embora lentamente – à degradação do ambiente, talvez a tempo de escapar à resposta da natureza.

Com relação a energia, muitos predizem que as fontes eólica e solar serão responsáveis por mais da metade da geração global de energia.

The Generalist: A NEW WORLD: GLOBAL ENERGY TRANSFORMATION
(Transição energética – Shell Sky Scenario)

Em dezembro do ano passado, a União Européia celebrou o “Green New Deal“, ou “Pacto Verde”:

“O Pacto Verde é a nossa visão de um continente neutro em termos de clima em 2050 e, por outro lado, um roteiro detalhado para cumprimento desta meta. São cinquenta ações previstas até 2050. (…)

O Pacto Verde Europeu trata de reduzir as emissões e, também, da criação de empregos e de incentivos à inovação.” (Ursula von der Leyen)

A China definiu que quer ser um dos pioneiros da economia sustentável. É possível. Em 1976, ela disputava com o Brasil o 10º lugar no ranking do PIB; já em 2000 chegou ao segundo lugar.

Durante muito tempo, as autoridades chinesas não se preocupavam com o meio ambiente; só o PIB importava. Mas, o custo do desabastecimento de água, da perda de terras agricultáveis e os danos à saúde representavam 18% desse PIB.

Agora, ela também quer ser neutra em carbono e, o maior fornecedor mundial de equipamentos industriais para a produção de energia limpa.

“Por que a proteção do ambiente é um tema importante? Um dos princípios básicos da cultura tradicional chinesa é o da harmonia entre homens e natureza.

Assim é a visão confucionista de que homens e natureza formam um todo único, a intuição taoista do Tao como reflexo da natureza ou a crença budista de que todos os organismos vivos são iguais.” (Pan Yue, vice-ministro do Meio Ambiente da China)

Resultados: só em 2017 foram inauguradas usinas solares com produção equivalente a 4 Itaipus.

E as florestas? Há quem leia o dito “Dinheiro não dá em árvores“, como um recado para queimá-las.

Não é necessário falar do valor ‘econômico’ da árvore em pé. A diversidade é um dos principais tesouros. Cerca de 3/4 de todas as drogas medicinais de origem vegetal atualmente em uso provêm de fórmulas aperfeiçoadas pelos índios e, ainda há muitas espécies cujo uso conhecem e são desconhecidas pelos ocidentais.

O governo federal divulgou, nesta segunda-feira, a Estratégia Federal de Desenvolvimento para o Brasil no período de 2020 a 2031. Um PND, como aqueles da ditadura, com outro nome. Fiquei impressionado; está tudo ali para fazer o país rico e com reduções de desigualdades. Faltam as metas e um coordenador. Trabalho bonito de se ver, mas de baixa credibilidade.

Há três cenários: o de ‘referência’, morno; o ‘transformador’, fantástico e, um sem nome, o infame, feito apenas para avaliar as possíveis consequências de um quadro de desajuste fiscal explosivo.

O Eixo Ambiental, o penúltimo (o último é o Social) objetiva “promover a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais, com foco na qualidade ambiental como um dos aspectos fundamentais da qualidade de vida das pessoas, conciliando a preservação do meio ambiente com o desenvolvimento econômico e social”.

Tudo está assinado por Paulo Guedes e pelo presidente. Espero que, pelo menos, o tenham lido.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: