Solidão

Felix Nussbaum, Self Portrait in the Camp, 1940 | Artist, Art, Art  exhibition
(Self-Portrait in the Camp (1940), por Felix Nussbaum)

Viver só não é um ‘problema’ para quem se dá bem consigo, para os que têm uma riqueza interior que o contenta, como a gordura que nos mantém nos jejuns. O mundo que carregamos pode, ou não, gerenciar sua energia, ou somos satélites.

Solidão é uma praga dos nossos tempos, apesar – ou talvez por conta – das redes sociais.

A palavra ‘solidão’ – ou o sentimento – é relativamente nova. Um dos seus primeiros usos foi em Hamlet, de Shakespeare, escrita por volta de 1600: Polônio implora a Ofélia – ‘Leia este livro, esse exercício pode colorir sua solidão.’

Em 1674, o naturalista inglês John Ray incluiu “solidão” em uma lista de palavras raramente usadas e a definiu como um termo para descrever lugares e pessoas “longe de seus vizinhos”.

“Ao longo do século 16, a solidão era frequentemente evocada em sermões para assustar os frequentadores da igreja do pecado – as pessoas eram solicitadas a se imaginarem em lugares solitários como o inferno ou o túmulo.” (Samantha Rose Hill)

A solidão era uma punição. Interesses econômicos (procriação e reprodução da força de trabalho) aliavam-se aos morais. Solidão e abandono eram usadas para despertar o terror da inexistência dentro dos homens, para levá-los a imaginar o isolamento absoluto, separado do mundo e do amor de Deus.

Em Gênesis, 2, 18, Iahweh Deus disse “Não é bom que o homem esteja só”. Essa frase foi muito utilizada.

A solidão é uma doença, algo a ser curado? Para muitos, sim. Pessoas esvaziadas, meio ocas.

O totalitarismo – de todas as cores – sabe bem como usar a ‘fragilidade’ ao se estar só. Aliás, ele encontrou uma maneira de cristalizar a solidão ocasional em um estado de ser permanente.

Para Hannah Arendt, “o que prepara os homens para a dominação totalitária no mundo não totalitário é o fato de que a solidão, antes uma experiência limítrofe geralmente sofrida em certas condições sociais marginais como a velhice, tornou-se uma experiência cotidiana das massas sempre crescentes de nosso século.”

Os regimes totalitários fazem uso da “ideologia”, usada como uma forma de divorciar o pensamento da ação, aproveitando-se da vulnerabilidade dos solitários, carentes de atenção e aprovação.

Para Arendt a solidão corta radicalmente as pessoas da conexão humana. Ela definiu a solidão como uma espécie de deserto onde a pessoa se sente abandonada por todo o mundanismo e companheirismo humano, mesmo quando cercada por outras pessoas.

Há cura? Sim: pensamento aberto, ver-se como parte, fortalecimento da autoestima e do respeito ao próximo e, abraçar a solidariedade.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: