Porcelana

Em 1792, um representante de uma missão à China, lorde Macartney, levou algumas peças de cerâmica produzidas na fábrica de Josiah Wedgwood – então, o melhor ceramista inglês; viria a ser o avô materno de Charles Darwin – para presentear o imperador chinês. Uma gafe, um insulto. O imperador ficou ressentido e se recusou a aceitá-las. O produto inglês parecia primitivo se comparado ao produzido na China. Os ingleses passaram se referir à porcelana como ‘china’.

As técnicas de modelagem, vitrificação e cozimento de cerâmicas, já na dinastia dos Song (séculos X e XI da era cristã), eram muito mais avançadas do que na Europa. Mas, a tradição ceramista chinesa retrocede à dinastia Han (206 a.C. até 220 d.C), talvez antes.

No século XIII, Marco Polo contou suas aventuras, que o levaram a um longa estadia na China. Ele elogiou a beleza da cerâmica que viu lá. Ele a ‘batizou’ de “porcelana” devido ao seu aspecto luzente, comparável à concha madrepérola de um pequeno molusco que tinha esse nome.

Somente no século XVI pensaram em imitá-las, sem sucesso. Só em 1709, o químico (e alquimista) Johann Friedrich Böttger intuiu que o caulim seria o segredo, por ser uma argila resistente à queima em altas temperaturas, combinado ao feldspato.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: