O legado de Confúcio

47 Frases do Confúcio para aplicar em sua vida todos os Dias
(Confúcio)

K’ung Ch’iu, conhecido no Ocidente como Confúcio, teve uma ascendência sobre o Leste Asiático, especialmente na China, como nenhum outro. Talvez Lao-Tsé, fundador do taoismo, e Sidarta Gautama se equiparem.

Nesta região, foi Confúcio, não Moisés, quem legou os padrões para a moralidade humana. Foi Confúcio, não Locke ou Jefferson, quem moldou a relação entre cidadão e Estado e a posição do indivíduo na sociedade. Ainda hoje, para se entender a China, é necessário conhecer sua influência.

Nossa cultura, centrada na filosofia grega e na Bíblia, é autocentrada. Liberdade, por exemplo, é algo pessoal com limites sociais.

A cultura do Leste Asiático, diferentemente, insere a liberdade num conceito de rede, sistêmico e holístico. Os laços familiares e governamentais são prevalecentes. No Ocidente, o ‘eu’ é atômico; lá o ‘eu’ é conexão. Isso, claro, em termos gerais.

Não estou dizendo que a liberdade lá é melhor ou pior do que aqui; são visões diferentes.

Pouco se sabe sobre sua juventude, apenas que era pobre e que gostava de estudar: “Aos quinze anos, dediquei-me de coração a aprender”, disse.

Para ele, que se considerava um professor, o único objetivo que um homem pode ter e também a única coisa válida que pode fazer é tornar-se um homem tão bom quanto possível. Isso precisaria ser perseguido pelo próprio valor intrínseco, independentemente de sucesso ou fracasso. Ser bom, sem esperar recompensas neste ou noutro mundo.

Perguntado sobre a morte, respondia que como não compreendia a vida, como poderia entender a morte?

Para Confúcio, havia vários tipos de caráter ideais, a começar pelo “sábio”. Ressaltava que ele próprio não era um sábio e que nunca havia visto tal homem. Em seguida viria o “homem bom”, seguido pelo “homem completo” (aquele que “à vista de uma vantagem a ser obtida, lembra-se do que é certo”, por exemplo) e pelo “cavalheiro” (chün tzu).

Entre as virtudes, ressaltava a “benevolência”. Escreveu “Não imponha aos outros aquilo que você não deseja para si próprio” e, “Ame seus semelhantes”, cinco séculos antes de Cristo.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: