Fábulas de ama-de-leite

Monte Olimpo de Giulio Romano. Linda Tela em Canvas para seu Quadro com qualidade de Museu. Decore seu ambiente com estilo, beleza e economia. Feita para Apaixonados por Arte. Confira lindas reproduções do seu artista preferido na Santhatela. Arte Estética, Arte Em Pintura, Pinturas Gregas, Arte Grega, Arte Renascentista, Arte Para Impressão, Mitologia Grega, Arte Classica, Inconsciente Coletivo
(Monte Olimpo, de Giulio Romano, 1532)

Assim Platão se referia aos mitos: fábulas. Mas, não há como separar quando o mito passou a ser história. Tróia era, até o século XIX, mitológica. Em 1871, Heinrich Schliemann encontrou os restos da cidade também denominada Ilion – de onde deriva o nome Ilíada.

À pergunta “o que existia antes de existir alguma coisa”, os gregos respondiam: os mitos.

O próprio Platão, entretanto, não dispensava os mitos para seus argumentos. Em “As Leis”, fala da Idade de Cronos (que foi destronado por Zeus, seu filho): “… Cronos estava ciente de que nenhum ser humano, por sua natureza tem a capacidade de ter controle absoluto de todos os assuntos humanos sem se locupletar de insolência e injustiça …

Três ideias, aliás, estão contidas em “Crítias” e “As Leis”:

  • a humanidade foi remota e inicialmente governada e cuidada por titãs ou deuses;
  • a inevitável corrupção moral e espiritual do ser humano
  • a ocorrência de vários dilúvios.

Perguntado se “as antigas tradições encerram alguma verdade”, Clínias responde: “… aquela segundo a qual o mundo dos seres humanos foi diversas vezes destruído por dilúvios, pragas e muitos outros flagelos, de tal modo que apenas uma pequena porção da espécie humana sobreviveu.”

Numa dessas ocasiões, Zeus achou que a humanidade era irrecuperável. Resolveu destruir a todos com fogo. Mas, pensou, um grande incêndio poderia atingir a morada dos próprios deuses. Decidiu-se, então, por um dilúvio. Um casal de ‘justos’, Deucalião e Pirra, foi avisado por Prometeu (esse sempre aprontava), pai de Deucalião.

“Nós dois somos uma multidão”, diria Ovídio, porque o casal seria a nova semente de todos os mortais seguintes.

Essa ‘história’ do dilúvio está em vários textos antigos, inclusive na Bíblia. Ela é mencionada em várias tradições ou mitos: entre os chibchas (da atual Colômbia), maias, no Puranas indiano, na Mesopotâmia (Epopeia de Gilgamesh) …

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: