O prazer do ódio

(Filme Raiva, de Sérgio Tréfaut)

O ódio move, talvez tanto quanto a paixão. Como a paixão, sua materialização não sacia.

Dia desses, li sobre uma mulher que largou sua vida e dedicou-se unicamente a buscar vingança, num relato de Drauzio Varella. Sua irmã de 15 anos foi estuprada e esfaqueada na região genital. A revolta a fez largar o emprego, o namorado e os amigos e foi à caça do criminoso, um segurança de uma construção. Passava os dias atrás de pistas que a levassem ao estuprador. Finalmente, encontrou-o numa padaria. Seduziu-o facilmente com um sorriso e marcaram para se encontrarem no final da tarde. Algumas cervejas e ela o convidou para seu apartamento. No caminho, numa área desabitada, tirou o revólver da bolsa, obrigou-o a se ajoelhar, mostrou-lhe a fotografia da irmã e deu o primeiro tiro no abdômen, para doer. “O tiro de misericórdia veio com um quê de frustração por dar fim ao sofrimento do desafeto.” Foi condenada a 12 anos, mas não estava arrependida. O ódio continuava.

Ao ler a história senti ódio do sujeito. A Justiça não tem esse comprometimento. E, sendo a vítima mulher, negra e pobre, ela tende a ser ignorada.

O ódio não é morno nem neutro. Ou se adere ou é preferível que saia da frente.

Esse ódio é material, houve um fato e com uma pessoa próxima. Acho-o justificável; é o que historicamente nos leva a perseguir alguma justiça.

Entretanto, o ódio que vemos disseminado por aí, tem outra natureza: é fruto da intolerância com o outro – por qualquer diferença, inclusive de opinião – e expressa uma fragilidade ressentida.

Suas razões podem ser o medo, o esvaziamento (espiritual, profissional, afetivo …), humilhação continuada, impotência frente à avalanche de incertezas (e da fluidez e instabilidades sinalizadas pelo futuro), sentimento de não-pertencimento e indiferença social, falta de reconhecimento etc. que levam à anulação da empatia.

Essa é a matéria prima política que populistas sabem capitalizar, levantando bandeiras.

Paulinho Neco, o BLOG: TIRINHAS: Tolerância existe e (deve) não só no  dicionário...

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em “O prazer do ódio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: