A educação caseira

(Olimpia, mãe de Alexandre o Grande)

Olimpia, ou Olimpíade, causou tanto furor quanto seu marido (Filipe II) e seu filho (o Grande Alexandre) no século IV a.C.

Adotou vários nomes:

  • Políxena (“a hospitaleira”), vinculava-a à mítica princesa de Tróia, filha de Príamo e da qual Aquiles se enamorou.
  • Mírtale, ao casar-se com Filipe ou ao iniciar-se nos mistérios de Samotrácia, uma alusão à murta, planta usada no culto de Afrodite.
  • Olímpia,como homenagem ao nascimento do filho e ao triunfo do cavalo do seu marido nos Jogos Olímpicos.
  • Estratonice, “vitória do exército”, quando teve de demonstrar que também uma mulher podia combater – e ganhar batalhas.

Olímpia adorava cobras e, dizem, assou um dos filhos de seu marido com outra mulher. Seu marido, Filipe II, fugiu ao vê-la dormindo com uma serpente.

Nectanebo I, um faraó do Egito, fugiu e procurou guarida com Olímpia. Conversa vai, conversa vem, ele predisse que ela teria um filho de Amon, na forma de dragão. O Amon era o próprio.

Após a morte de Alexandre, Cassandro, um de seus generais, condenou a coitada à morte.

Os executores tinham medo dela, mas mataram-na. A opção era a própria morte.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

2 comentários em “A educação caseira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: