Duplo vínculo (texto de Jan Hills)

How to get promoted as a woman | Psyche

Para as mulheres, junto com outros grupos marginalizados, o sucesso na carreira envolve o enfrentamento de sérios dilemas. Você cumpre o que é esperado ou tenta quebrar o molde? Você esconde sua ambição ou pode ser honesta sobre isso? Você deve ser “você mesmo” ou é melhor adotar um estilo de liderança mais estereotipado “masculino”, ao custo de ser odiada? Gerenciar essas tensões pode nos deixar frustradas em nossas carreiras ou socialmente penalizadas por nosso comportamento. As mulheres no local de trabalho enfrentam o que a estudiosa feminista Marilyn Frye chamou de “duplo vínculo”, em que nenhuma das opções limitadas disponíveis parece ser desejável.

Muito do que se escreve sobre gênero no local de trabalho sutilmente – e às vezes não tão sutilmente – culpa as mulheres. Isso implica que as mulheres precisam mudar para ter sucesso em um mundo (masculino). Isso é injusto e simplista, e a verdade é que muitas de nós estamos agitadas para reformar este sistema. A realidade prática é que não seremos capazes de mudar o local de trabalho se não soubermos como navegá-lo.

As evidências sugerem que, como mulher, motivação, energia e experiência não serão suficientes para levá-la aonde deseja. Também é importante ter olhos claros sobre seus objetivos de carreira e discernir como sua própria socialização, bem como os mitos generalizados sobre a competência feminina, podem estar trabalhando contra você. Estar avisada é estar preparada, e usar ferramentas é sensato. Além do mais, sabemos pela pesquisa que os homens que não se enquadram no estereótipo de um líder autoritário também serão julgados negativamente – então, homens, vocês também podem encontrar alguma inspiração útil no que segue.

O primeiro obstáculo a superar diz respeito à sua própria relação com a ambição. As mulheres, como os homens, experimentam recompensa e prazer trabalhando duro e alcançando objetivos. Não estamos trabalhando longas horas e sacrificando o tempo longe de nossas famílias apenas para ser “legais”. Mas as mulheres são ambiciosas? Em seu livro Necessary Dreams (2004), a psiquiatra Anna Fels observa que as mulheres americanas que ela entrevistou não gostavam de se descrever como ambiciosas agora. No entanto, ao falar sobre suas ambições para a vida adulta, eles disseram que queriam ser conhecidas pelo domínio de uma habilidade e ser reconhecidas por isso. Fels argumenta que as mulheres são educadas para evitar o reconhecimento e a visibilidade em favor dos valores femininos tradicionais; em sua opinião, isso contribui para o motivo pelo qual muitas vezes escolhem criar e adiar, em vez de competir com os homens.

O domínio exige motivação, apoio e apreciação ao longo do tempo. São experiências sociais que dependem de outras pessoas – são elas que nos ajudam a manter o foco e nos estimulam a superar obstáculos. Portanto, se as conquistas das mulheres são sistematicamente subestimadas pelas pessoas ao seu redor, corremos o risco de não conseguir encontrar a resistência para seguir em frente e atingir nosso potencial. Simplesmente não é possível que as pessoas realizem seus sonhos como solitárias. Um estudo influente conduzido pelo psicólogo de Harvard Jerome Kagan, por exemplo, acompanhou um grupo de 89 americanos desde o nascimento até a infância (embora alguns tenham desistido no decorrer do estudo). Ele concluiu que o reconhecimento é um componente-chave do domínio e pode ser impossível dominar uma habilidade sem reconhecimento.

Um estudo recente descobriu que homens e mulheres competem de forma diferente. As normas femininas significam que as mulheres são socializadas para terem crenças mais negativas sobre a competição. Essas normas socializam as mulheres para serem modestas, receptivas e solidárias. Numerosos estudos, incluindo um recente publicado pelo Instituto Global de Liderança Feminina do King’s College London, descobriram que as mulheres tendem a sofrer discriminação organizacional significativa entre os 20 e 30 anos – precisamente quando estão começando a competir seriamente com os homens e pular em funções que têm influência significativa sobre os outros. É também a idade em que as mulheres decidem com mais frequência fazer parceria e ter filhos. Para as mulheres profissionais que se relacionam com homens, esta fase da vida também acarreta uma carga desproporcional de cuidados infantis e trabalho doméstico, o chamado “segundo turno”. Este não é apenas um problema geracional: uma pesquisa recente da Gallup descobriu que entre os casais, aqueles com idade entre 18 e 34 anos não eram mais propensos do que os casais mais velhos a dividir a maioria das tarefas domésticas equitativamente.

Diante dessas pressões, as mulheres às vezes sentem que precisam escolher entre manter suas ambições ou reduzi-las. Os estereótipos apresentam outro obstáculo, pois socializam as mulheres para agir de acordo com as normas culturais e são a base sobre a qual nosso comportamento é julgado pelos outros.

Ver matéria completa no link a seguir: https://psyche.co/guides/how-to-navigate-the-dilemmas-women-face-at-work-to-get-promoted

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: