Os pulos do destino

George Marcgrave, alemão, era matemático e naturalista. Foi trazido para o Brasil, em 1638, por Maurício de Nassau. As primeiras publicações científicas sobre a natureza brasileira são de sua autoria, junto com outro naturalista, Guilherme Piso.

Marcgrave morreu jovem, aos 33 anos, em 1644.

Durante sua permanência no Recife, Nassau construiu um observatório, pelo qual Marcgrave fazia observações astronômicas inéditas. Isso, na mesma época em que Galileu escarafunchava o sistema solar e Newton lançava as bases da óptica e da mecânica.

Em pesquisas feitas por Oscar Matsuura na Holanda e na França, descobriu que Recife detinha os títulos de “Berço da astronomia moderna das Américas” e “Marco Zero da ciência no Brasil”.

Descobriu, também, que Nassau pretendia fundar uma universidade calvinista no Recife, nos moldes da Universidade de Leiden (de 1575), na época em que estava sendo fundada a Universidade de Harvard na Nova Inglaterra.

Mas, tudo desandou. E, nossa primeira universidade, a USP, só surgiu em 1934, quase trezentos anos depois.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em “Os pulos do destino

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: