O fim da Lava Jato

Lava Jato repudia fala de Aras: "Ilação sobre 'caixas de segredos' é falsa"
(Parte da Força-tarefa da Lava Jato em Curitiba)

Resistiu por mais tempo do que o esperado – contava com o apoio da população. Agora, com essa mesma população inerte e dividida, é a hora da virada. Os corruptos já comemoram. Sonhos de uma ilusão democrática.

Por seis anos, a Operação Lava Jato, em suas 71 fases, realizou mais de mil mandados de busca e apreensão, prisões temporária e preventiva e de condução coercitiva. Algo nunca imaginado: grandes empresários, burocratas de alto estirpe, políticos consagrados, funcionários de grandes empresas … os inatingíveis foram alcançados. O Brasil parecia poder aspirar ao status de país sério.

Isso tornou-se possível graças ao idealismo de alguns membros da PF, do MP e da RF que tiveram acolhida num juiz federal de primeira instância, Sérgio Moro. As ferramentas usadas foram o rastreamento de recursos, a delação premiada, as prisões temporárias e a possibilidade da prisão em segunda instância. Mais de cem pessoas foram condenadas. Um desaforo.

Mandatários estaduais e até o presidente, utilizaram a Operação para suas eleições, muitos usando luvas.

As ‘vítimas’ e os potenciais investigados não pararam, para alegria e fortuna de muitos escritórios de advocacia.

Derrubaram a prisão em segunda instância; desviaram o que seria ‘caixa dois’ para a Justiça Eleitoral, criaram o ‘cotovelo’ do juiz de garantias, tentaram desmoralizar a delação premiada, ‘legalistas’ se revoltaram contra as prisões provisórias (só dos graúdos), vazamentos de conversas entre membros foram usados para tentar desmoralizá-la, enquanto criticavam o estrelismo de alguns da Força-tarefa e a espetaculização dos eventos.

As operações investigadas totalizavam oito trilhões de reais em potenciais desvios; conseguiu-se a devolução de mais de R$ 4 bilhões.

Agora, decididamente e abertamente, o lado escuro da Força, conta com o protagonismo do PGR, escolhido pelo presidente, por critérios desconhecidos:

“É hora de corrigir os rumos para que o lavajatismo não perdure” (Augusto Aras)

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: