O futuro é visto como ‘tempo de ninguém’ (texto de Roman Krznaric)

( “The Good Ancestor: How to Think Long Term in a Short-Term World“, de Roman Krznaric. Gráfico por Nigel Hawtin)

“A humanidade colonizou o futuro. Nós o tratamos como um posto avançado distante e desprovido de pessoas onde podemos despejar livremente a degradação ecológica, o risco tecnológico e o lixo nuclear – como se ninguém estivesse lá.

Isso se assemelha à atitude dos britânicos em sua colonização da Austrália, que foi baseada em uma doutrina legal hoje conhecida como ‘terra nullius’ ou ‘terra de ninguém’, na qual o continente era tratado como se não houvesse povos indígenas quando eles chegaram. Nossa atitude social hoje é de ‘tempus nullius’, particularmente em países de alta renda. O futuro é visto como ‘tempo de ninguém’, um território não reclamado que é igualmente desprovido de habitantes.”

As gerações futuras não têm direitos políticos ou representação. Seus interesses não têm influência nas urnas ou no mercado. Isso os deixa vulneráveis ​​a várias ameaças de longo prazo, desde o aumento do nível do mar e armas autônomas letais controladas por IA até a próxima pandemia que se avizinha no horizonte, seja de ocorrência natural ou de engenharia genética.

Cerca de 100 bilhões de pessoas viveram e morreram nos últimos 50.000 anos. Mas eles, juntamente com os 7,8 bilhões de pessoas atualmente vivos, são superados pelos estimados 6,75 trilhões de pessoas que nascerão nos próximos 50.000 anos, se a taxa de natalidade deste século for mantida (veja o gráfico abaixo). Mesmo no próximo milênio, mais de 135 bilhões de pessoas nascerão. Como poderíamos ignorar o bem-estar deles e pensar que o nosso próprio é de maior valor?

Texto original:

)

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em “O futuro é visto como ‘tempo de ninguém’ (texto de Roman Krznaric)

  1. “O que fazemos hoje repercutirá na eternidade”.
    Tenho usado essa frase (do filme “Gladiador”) muito mais do que gostaria e por motivos que preferiria não existir.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: