A morte e o morrer

“Morrer, que me importa? (…) O diabo é deixar de viver.” (Mário Quintana)

“Papai, quando você morrer, você vai sentir saudades?”
Silêncio.
“Não chore, que eu vou te abraçar …”
Essa história foi contada por Rubem Alves. Sua filha tinha três anos, mas sabia que a morte é onde mora a saudade.

A partir de certa idade, tornamos-nos foguetes, com contagem regressiva para a partida.

Rubem conta que “dona Clara era uma velhinha de 95 anos, lá em Minas. Vivia uma religiosidade mansa, sem culpas ou medos. Na cama, cega, a filha lhe lia a Bíblia. De repente, ela faz um gesto, interrompendo a leitura. O que ela tinha a dizer era infinitamente mais importante. ‘Minha filha, sei que minha hora está chegando … Mas, que pena! A vida é tão boa…” E partiu.

A morte não me assusta; só o morrer. O processo.
A morte de dona Clara parece apenas um desenlace, uma mudança de canal.
Mas, o morrer doloroso, asfixiado, agonizante … sem sequer estarmos conscientes ou fazendo valer nossa vontade é … uma triste lembrança deste mundo. Seria um novo parto?

Os médicos são preparados para estender a vida, mesmo quando ela de fato já acabou.

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: