“Deixai toda esperança, ó vós que entrais”

Paulino Meira, um amigo, resolveu comentar o filme Event Horizon, de 1997 – nostalgia, talvez. O filme trata da tentativa de resgate da nave do título.

Essa nave tem como força um ‘motor de gravidade’, que gera um buraco negro artificial usado para unir dois pontos no espaço-tempo, o que reduziria o tempo de viagens em distâncias astronômicas. Mas, ao ligar o motor de gravidade abriu-se um portal para outra dimensão, algo como o ‘inferno’ de nossas imaginações.

Gancho para falar da Divina Comédia, de Dante Alighieri.

Dante finalizou sua Comédia em 1321. Originalmente denominou seu poema como Comédia que, no sentido aristotélico, fala de homens inferiores, pessoas comuns, ao contrário de Tragédia, que trata de personagens e ações nobres. Por uma questão de marketing, seus editores mudaram o nome para Divina Comédia, dois séculos depois.

Em resumo, ele vai ao Paraíso – para encontrar sua amada Beatriz – passando pelo Inferno e pelo Purgatório, guiado por Virgílio, que simboliza a razão.

O Inferno é, naturalmente, bem estruturado, com uma hierarquia de pecados, pecadores e suas penas.

O primeiro nível abarca a Incontinência (os luxuriosos, gulosos, avaros, iracundos e rancorosos e os heréticos).

Segue o pecado da Violência e Bestialidade, contra o próximo (tiranos e assaltantes), contra si próprio (suicidas e gastadores) e, contra Deus (blasfêmios, sodomitas e usurários).

O nível seguinte cuida do pecado de Fraude, uma lista grande: sedutores e rufiões, aduladores e lisonjeadores, simoníacos, magos e adivinhos, traficantes, hipócritas, ladrões, maus conselheiros, cismáticos e intrigantes, e, falsários.

Finalmente, o círculo da Traição, contra parentes, a Pátria ou partidos políticos, os hóspedes e aos benfeitores.

Os políticos, atualmente, têm várias opções para permanência.

Antes do acesso ao Inferno há o Vestíbulo, onde ficam os Ignavos. Ignavo é o sujeito que não se posiciona, o indiferente, que não se opõe ao mal. São os covardes, fracos, indolentes, medrosos, pusilânimes. Esses, os insossos, são picados por nuvens de vespas e obrigados a correr sem parada atrás de uma insígnia.

Aqui está o vídeo de Paulino:

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

8 comentários em ““Deixai toda esperança, ó vós que entrais”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: