Intolerância

Escrevo sempre sobre abusos, massacres e perseguições perpetrados por religiosos, fanáticos, de várias denominações.

Hoje trago um fato marcante, que os revolucionários franceses, como ápice do terror, praticaram em nome da razão.

As vítimas foram 16 freiras carmelitas, executadas em 17 de julho de 1794.

Seus crimes? Continuaram a viver juntas após a extinção do seu convento.

Aos pés da guilhotina, elas cantavam ‘Veni Creator Spiritus’ (‘Vem, Espírito Criador’), hino da festa de Pentecostes, que invoca o Espírito de Deus, que pairou sobre as águas informes e tumultuosas na criação do mundo, conforme Gênesis.

A Prioresa, a última a morrer, falou para um público silencioso: “não é a violência que tudo pode, é o amor que tudo pode.”

Todas, uma atrás doutra ajoelhavam-se diante da Prioresa e renovavam seus votos de obediência.

Foram mártires pela fé.

Hoje, nosso martírio é o cotidiano.

A barbárie, o terror, não são exclusividades de nenhuma crença, ideologia ou da racionalidade. São frutos da intolerância, instrumentalizada pelo fanatismo.

(Fonte: “Diálogo das Carmelitas”, de Georges Bernanos)

(dss, 12 junho 2020)

Publicado por Dorgival Soares

Administrador de empresas, especializado em reestruturação e recuperação de negócios. Minha formação é centrada em finanças, mas atuo com foco nas pessoas.

Um comentário em “Intolerância

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: